Arquivo da tag: #audiências.

Mineiro sovina! – Capítulo XX (final)

 

Bonsai de Azaleia.
Cactos florido.

 

Orquídeas Paphiopedilum.

 

20. Os sonhos se realizam.
         Com o assédio do galante pintor italiano afastado, José Silvério respirou aliviado. Convidou Isabel a irem a Belo Horizonte durante o final de semana em que ele estaria expondo na capital. Queria mostrar a ele que eles estavam juntos e decididos a construírem uma vida a dois. Não iriam se esconder, pois não tinham motivo para isso. O intruso era ele e deveria se convencer da necessidade de deixar aos dois em paz.
         Isabel não achou boa idéia. Iria parecer provocação e não era possível prever a reação do outro.
         – Não o conhecemos suficientemente bem para prever como vai reagir.
         – Se ficarmos aqui, daremos a impressão de que temos medo dele. Não é isso que vai parecer?
         – Vou conversar com meus pais a respeito. Eles já me deram um aperto bem sério sobre isso. Se eu for com você lá cutucar o homem, acho que não vai ser legal.
         – Também tem essa questão. Não devemos desgostar seus pais. Até mesmo os meus não sei se aprovariam minha proposição.
         – Amanhã a gente vai estar com a cabeça mais serena e teremos condições de tomar uma decisão mais acertada.
         – Eu tive vontade de ir até a Rodoviária atrás dele, mas fiquei sabendo que saiu do hotel com passagem para dali a vinte minutos. Não daria mais tempo. Já estava na estrada.
         – Foi melhor assim, meu amor. Imaginou como ficaria sua reputação se tivesse encontrado com ele e acontecesse uma briga entre vocês dois?
         – Bem pensado. Na hora eu não vi nada na minha frente. Parecia que tudo era vermelho. Igual o boi sendo provocado pelo toureiro.
         – Calma, amor. Não tem motivo para se exaltar tanto. Eu amo você e mais ninguém.
         – Esse “bepi” que vá para bem longe e não volte mais.
         – O melhor é ignorar. Ele é homem livre e pode ir onde quiser. É famoso no mundo inteiro. Não vou conseguir me esconder para sempre dele. Em algum momento da vida vamos nos ver e então veremos como fica a questão.
         – Ele que não se meta a besta! Mostro a ele o que acontece com quem mexe com mulher minha.
         – Alto lá! Não sou sua propriedade. Quero ser sua esposa, mãe dos nossos filhos, mas não lhe pertenço como um carro ou um pedaço de terra.
         – Nem é isso que eu quis dizer, meu bem.
         – Infelizmente em muitos casos é o que os homens acham que acontece com o casamento. A mulher se torna “propriedade” deles. Podem usar e abusar. Isso eu não vou aceitar, pode esquecer.
         – Nunca vou agir assim. Desculpe se eu passei dos limites. Vou me manter mais calmo. É que quando vi aquele “almofadinha” todo empoado ali como que dizendo: Olhem como eu sou charmoso, gostoso e bonitão. Todas as mulheres me acham lindo.
         – Pelo menos eu não pensei isso. Aquele bigodinho dele não me atrai nem um pouco. Depois já está quase careca.
         – Isso vai acontecer comigo também com o passar dos anos.
         – Mas eu também vou envelhecer, vamos ficar enrugados os dois. Parou para pensar como vamos estar daqui uns vinte anos? Deveria ser possível ver como iremos ficando com o passar do tempo.
         – Acho melhor não. Seria sofrer por antecipação.
         – Vamos falar de outros assuntos, meu bem. Jogue uma pá de cal sobre esse assunto e vamos cuidar de aproveitar nosso tempo juntos.
         Levantaram e foram até o atelier onde Isabel passou a mostrar seus quadros produzidos nas últimas semanas. Dois estavam ainda sobre os cavaletes, esperando completar a secagem. José contou um por um e constatou que ela pintara mais do que havia imaginado. Ao todo eram 20 telas, onde uma nova artista surgia. Se os primeiros que vira há pouco mais de um ano, eram lindíssimos, estes de agora eram divinos. A força do traço, a harmonia das cores, o efeito estético final era estonteante. Cada um mostrava uma nova faceta da pintora. Ela colocava toda sua alma, sua personalidade na pintura.
 
Phragmipedium.

 

Phragmipedium
 
         – Você já tem material para nova exposição aqui. A maioria das exposições não tem muito mais que isso do mesmo artista.
         – Vou expor no ano que vem. Tenho muito que pintar, antes disso. Se for pensar em exposição agora, perco o ímpeto e a inspiração passa.
         – Parece produção em série, igual linha de montagem das fábricas de automóveis.
         – A diferença é que aqui só tem um operário que faz todas as etapas.
         – Estou vendo que daqui a uns anos, existirão mil, dois mil quadros pintados por você. Não vai desvalorizar seu trabalho?
         – Acho que não. Se não tiver tanto valor, mais gente poderá comprar e ter um quadro meu em casa.
         – Tem esse lado. Vamos ver quando você estiver na eternidade o quanto vão valer seus quadros. Ainda bem que não estaremos aqui para ver.
         – Há pintores que em vida passaram fome, até que não venderam um único quadro. Eu já vendi um monte. Ao todo são mais de 150 vendidos.
         Nisso ouviram Maria Luisa chamando para jantar. Recolocaram os quadros em seus lugares e foram para a sala de jantar. Não era boa política fazer os pais esperarem para eles virem participar da refeição. Ao chegarem ali ouviram Onofre resmungar:
         – Pensei que iam ficar naquele atelier até amanhã.
         – Tínhamos que guardar os quadros no lugar para não ficar tudo bagunçado.
         – Quem mandou tirar tudo do lugar?
         – Para mostrar ao José, pai.
         – Estou embasbacado, coronel. Ela está pintando como uma louca. Tem mais de vinte quadros prontos naquele cubículo. Quase tudo ocupado. Logo vai ter que ocupar um outro lugar.
         – Igual antes. Havia quadros por toda parte, – disse Maria Luisa.
         – Nem tanto mãe.
         – Não, é? Eu que sei pois sabia onde estavam. Só faltou por alguns embaixo de nossa cama. Tinha no quarto dela, na despensa, no outro quarto de hóspedes, por tudo.
         – Lembro. Quando começou a tirar quadro não parava mais de sair. Era de toda parte.
         – Nem posso dizer nada, afinal você ajudou a carregar tudo.
         – Ansim o’cê vai gastar o estoque de tinta da cidade tudo.
         – Isso eles providenciam depressa. Nem se preocupe, pai.
         O jantar transcorreu em silêncio depois disso, ocupados que estavam em comer. Terminada a refeição foram sentar-se diante do aparelho de TV assistir ao Jornal Nacional. Era preciso ficar ao par das notícias do país e do resto do mundo. Em um momento apareceu o italiano, chegando de retorno à capital. Acabara de desembarcar e ia pegar um taxi para dirigir-se ao hotel. Não quis dar explicações sobre suas andanças durante o dia. Ninguém o havia visto viajar e os repórteres estavam curiosos por saber onde estivera. Por mais que tentassem, não conseguiram que seus lábios emitissem algo além de um sorriso pouco expressivo.
         Deixou literalmente claro que aquele dia não faria parte dos noticiários mundiais. Ele o vivera somente para si e não tinha disposição de partilhar o que havia acontecido. Ninguém saberia onde estivera, salvo se algum jornalista de Sete Lagoas o associasse à sua passagem rápida pela cidade. Esperava que isso não acontecesse. Quanto menos se falasse nesse evento, melhor seria para ele. Chegou ao hotel e depois de pagar a corrida, entrou rapidamente, sumindo de vista.
         Em pouco tempo uma pequena multidão de repórteres jornalísticos e televisivos, fotógrafos e cinegrafistas se formou diante da portaria do estabelecimento. Houve um pequeno tumulto quando os seguranças pediram que o acesso aos clientes ficasse desimpedido. Alguns se exaltaram tentando reivindicar direitos de informação. O gerente chegou perto e lhes falou:
         – Aqui é propriedade privada e eu peço que não criem tumulto. Se isso ocorrer, não vou hesitar em chamar a polícia. Portanto, fiquem afastados da entrada do hotel. Estão impedindo nossos clientes de acessar e deixar o lugar livremente. Isso é invasão de propriedade privada.
         Um mais alterado tentou argumentar mas ele virou-lhe as costas e voltou para o interior. Pegou o telefone e começou a discar. Nesse momento a turba se deu conta de que as palavras haviam sido ditas a sério. Os mais moderados acalmaram os outros e foram se postar em posição que não atrapalhasse o livro acesso ao estabelecimento. Vendo isso o gerente deixou a ligação ao meio. Na verdade apenas fizera o gesto de discar para mostrar que não estava brincando, fazendo ameaças vazias. Não havia por que temer.
         Em pouco tempo houve quem ligasse de Sete Lagoas afirmando ter visto o artista lá entre o meio dia e as cinco horas da tarde. Almoçara num restaurante, conversara com pessoas e de um momento para outro entrara no hotel para logo depois sair apressadamente e retornar a Belo Horizonte. Ninguém havia feito imagens, apenas a informação falada. Quando a ser a mesma pessoa não restava dúvida, uma vez que ao chegar ainda vestia as mesmas roupas com que se apresentara lá. Não houvera tempo de trocar, na rápida saída do hotel.
         A exposição transcorreu normalmente, vários trabalhos do pintor foram adquiridos por colecionadores e ele seguiu seu roteiro por outras capitais do país. Demorou ao todo quase três meses em sua tourné. No dia de seu embarque para a Europa, antes de ir para a área de embarque aproveitou e mandou a mensagem para Isabel:
         – Tchau, bella Isabel Pires. Io volverei.
         Ninguém entendeu o que ele quisera dizer, pois ninguém associara o nome à jovem pintora mineira. O jornalista que ligara informando da sua estada na cidade, ouviu a mensagem e associou as coisas. Tentou investigar o assunto, mas deparou com um mutismo total.
 
Catleya.

 

Catleya.
 
         Isabel e José Silvério estavam de casamento marcado. Ao mesmo tempo a artista estava expondo sua produção mais recente na galeria de Sete Lagoas. O trabalho de poucos meses era um acervo de mais de cem pinturas. Era uma artista aparentemente nova, não guardando nada de sua primeira exposição. Os entendidos no entando, colocando os trabalhos lado a lado, conseguiam perceber a semelhança no traço firme, na harmonia das cores. Apenas o vigor, a energia que transpareciam nos novos quadros era a antiga multiplicada por dez. Pareciam ter vida própria seus novos trabalhos.
         Os visitantes eram unânimes em elogiar as pinturas ora expostas, sem no entanto deixar de gloriar os antigos. Uma verdadeira multidão de visitantes veio ver e fazer ofertas de compra. Por sugestão do agente, não haviam sido colocados preços mínimos nas pinturas. Quem quisesse fazer ofertas poderia fazê-lo, mas não havia promessa de aceitação. Esperariam para ver os valores que iriam aparecer e assim avaliar mais adequadamente os trabalhos. No mês seguinte seguiriam para Belo Horizonte e já estavam em negociação com São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre para novos eventos. Não tardaria para aparecerem os representantes de galerias europeias para negociar contratos.
         O mês de maio estava reservado para o casamento e a viagem em lua de mel. Nada seria planejado para esse mês. Mesmo nos demais meses do ano, teriam um limite para aceitar contratos. Estariam vivendo os primeiros meses de casados e pretendiam ter sempre alguns dias para estarem juntos. A fúria interior de Isabel estava temporariamente aplacada, mas não extinta. Poderia dizer que o vulcão estava adormecido, mas a qualquer momento poderia entrar em erupção com todo vigor. Cada dia que vivia, cada cena que visualizava, acrescentava um pouco de energia ao seu íntimo.
         As exposições nas capitais brasileiras foram escalonadas ao longo do resto do ano, permitindo no intervalo entre uma e outra a estadia em casa ou um recanto sossegado para viverem seu amor. O mês de maio chegou e no dia 6 foi realizada a cerimônia de casamento, presidida pelo vigário da igreja matriz e o juiz de direito. Foi uma celebração conjunta, seguida de uma recepção movimentada no clube local. A comida e ornamentação foi contratada com um fuffet fundado recentemente. Foi o maior evento que eles já haviam organizado. Se esmeraram ao máximo para que tudo saísse a contento e realmente foi isso que aconteceu. Por volta de 15 horas os noivos embarcaram em um pequeno avião que os deixou no aeroporto de Belo Horizonte.
         Ali chegando fizeram o check-in e foram para a área de embarque. Antes das 18 horas decolavam rumo ao Recife de onde pegaram outro voo para a França. Ficariam uma semana em Paris, depois iriam até outras cidades, mas não revelaram para ninguém, exceto os pais, onde estariam. Queriam paz e tranquilidade.
         Os dias idílicos vividos foram fartamente registrados em fotografias e filmes em Super 8. Queriam guardar lembranças para reverem muitos anos depois. Depois de visitar todos os lugares dignos de serem vistos em Paris, alugaram um carro e foram até a Alemanha. Visitaram Bohn, Stutgard, Colônia e depois foram para Austria onde visitaram Viena e outras cidades. Por último foi a vez da Suiça, onde pegaram o degelo, pois se avizinhava o verão. Antes de retornarem passaram por Milão, Roma e de lá tomaram um voo para o Brasil. Traziam na bagagem uma enormidade de lembranças de todos os lugares visitados. Porém o tesouro mais precioso que tinham eram as lembranças de cada momento partilhado nos lugares mais incríveis do mundo.
         Algumas semanas depois de voltarem e se instalarem em um apartamento adquirido na cidade, foi a vez de Isabel viajar para Porto Alegre para sua primeira aparição no cenário artístido da capital gaúcha. Ao voltar, já estava pensando na próxima que era Curitiba, vindo na sequência Salvador, Recife e por último Rio de Janeiro. Isso encerraria o ano de 1980. Era o primeiro ano do governo do último presidente do regime militar. Por toda parte espoucavam manifestações em prol de abertura política, grandemente favorecida pelo programa de abertura posto em marcha pelo General João Batista Figueiredo, ocupante atual do palácio da Alvorada.
         Nos dias que Isabel estava longe, José ia frequentemente à fazenda para ver como estavam os sogros, ambos já um pouco debilitados. O distanciamento em relação à filha devido ao seu trabalho, parecia ter abalado os dois idosos. Talvez o anúncio de um neto a caminho conseguisse levantar o ânimo dos dois. Quando terminou o périplo de viajens e perídos de afastamento, foram passar algumas semanas na fazenda. José vinha cedo para cidade e voltava ao anoitecer. Foi nesse período que ela notou o atraso em suas regras. Inicialmente pensou que seria um alarme falso, mas na medida que os dias avançavam e nada acontecia se convencia mais de que estava grávida. Quando amanheceu e logo depois ao escovar os dentes sentiu um acesso de enjoo violento seguido de vômito, teve certeza. José já havia partido ela não teve como ocultar o fato de Maria Luisa.
 

 

Phalenopsis.
Phalenopsis.
 
         A mulher idosa não poderia ter tomado um elixir mais poderoso do que esse. Pareceu recobrar o vigor instantaneamente. Milhões de ideias logo povoavam sua -aí a fora. Onofre que fora ver o café nas proximidades, já iniciando a maturação, chegou e viu as duas numa agitação só. Parou na porta e perguntou:
         – Uai! Que é qui aconteceu?
         – Senta aí, meu veio. Escuta sentado ou vai cair sentado.
         – Por mode que eu vou cair sentado?
         – Ocê vai ser avô!
         O homem teve um tremor, levando as duas a temer pela sua saúde. Parecia ter recebido um choque. Mas logo mais soltou-se lhe a língua e desandou a falar sem parar. Dizia a todo momento:
         – Uai sô! Um neto! Não me diga que vou ter um neto?
         O último a saber da novidade foi o pai da criança que iria nascer. Quando chegou em casa, um pouco atrasado devido a uma audiência que se estendeu além da hora, foi recebido pelo sogro na beira da varanda, numa excitação que não via há tempo. Estranhou o fato e foi logo perguntando:
         – Aconteceu alguma coisa, coronel?
         – Adivinha, meu genro. Nóis tamo na maior felicidade.
         – Mas qual é o motivo de tudo isso?
         – Home! Ocê vai ser pai. Eu vou ser avô.
         – Mas como, quando souberam?
         – Hoje cedo, Isabel, sua mulher levantou com enjoos e está com as regras atrasadas faz mais de mês. Ela está grávida e estão as duas lá dentro fazendo milhões de planos para a criança.
         José não esperou um instante e correu até onde estava a esposa. Ao vê-la estacou e ficou olhando para ela. As duas nem haviam percebido a presença dele, tão ocupadas estavam com os planos para a criança por nascer. Foi preciso perguntar:
         – Alguém pode me dizer o motivo de tanto alvoroço?
         – Muito simples, meu amor. Você vai ser pai. Não vai dar um abraço e um beijo na mãe do seu filho?
         Levantou-se e caiu nos braços do marido. Ficaram um tempo interminável naquele amplexo. Os corpos pareciam se fundirem e ora rolavam lágrimas ora sorrisos se estampavam em seus rostos. O que menos se ouvia eram palavras que entre eles eram desnecessárias. Tinham uma sintonia tão fina que se comunicavam apenas pelos gestos e sinais do corpo. Aquela foi uma noite de muita alegria. Os dias que se seguiram foram testemunhas de um verdadeiro milagre na vida dos avós. Quem logo foi informado da novidade foram os avós paternos também e se estabeleceu um intenso vaivém da cidade para a fazenda e vice versa. Era o primeiro neto ou neta de ambos os lados.
         Se os avós tiveram uma injeção de ânimo com a notícia, José adquiriu uma postura ainda mais firme e decidida no seu trabalho. O relacionamento com os colegas e demais pessoas ficou mais cordial do que já era antes. Queria tornar o mundo um pouco melhor para esperar o filho que estava por nascer. Havia toda uma série de providências a tomar. Havia exposições acordadas para o decorrer do próximo ano e seria necessário algum ajuste, tendo em vista a nova situação da pintora. Haveira necessidade mais tempo de descanso, mais cuidado com o uso das tintas por causa de seus componentes químicos.  
         O menino nasceu no final do mês de julho. As demais exposições do segundo semestre haviam sido renegociadas para o próximo ano. Os primeiros meses de vida seriam exclusivos do filho. Quando ele tivesse condições de acompanhar a mãe, ela retomaria as viagens, sem no entanto exagerar para não submeter o pequeno ser a excessos de stress, exposição pública e demais riscos. José estava eufórico com o nascimento do filho. Em comum acordo com Isabel decidiram batizar o rebento com o nome Pedro Onofre da Silva. Dessa forma os avós ficaram ambos cheios de razão. O neto levava o seu nome. Pouco importava se era o primeiro ou segundo nome, pois dizer os dois juntos soava melhor do que qualquer um deles separadamente.
         O tempo passou, chegou 1982. O pequeno Pedro Onofre já podia viajar e acompanhou a mãe em várias viagens. O pai acompanhava a família quando era possível, mas a carga de trabalho no escritóri estava elevada, mantendo-o na maior parte do tempo em casa. O que mais maltratava nesse tempo era a saudade imensa que sentia dos dois seres que mais amava no mundo. Deitar na cama e imaginar que sua mulher e o filho estavam a milhares de quilômetros de distância, era um verdadeiro tormento. Mas o tempo passou e cada reencontro era motivo de grande regozijo. Os avós viajaram ao encontro da filha e do neto na Itália. Lá ocorreu o encontro de Isabel com Giovanni.
         Ele elogiou o filho e não demonstrou nada do que parecera algo tão certo na ocasião de sua ida ao Brasil. Pelo menos ele soube disfarçar muito bem. Ao contrário do que parecia, ele não sentira sua paixão por ela diminuir e agora, feliz em sua maternidade recente, estava mais radiante que antes. A vida do casal foi uma sucessão de períodos de afastamento e reencontros emocionantes. Pedro Onofre com o tempo ganhou a companhia de um irmão e duas irmãs, espaçados por intervalos de aproximadamente dois anos. Quando Tancredo Neves e José Sarney estavam prestes a subirem a rampa do palácio de governo, Isabel estava grávida pela terceira vez. A longa agonia do presidente eleito, mas não empossado, antes de sua morte, foi um período que comoveu todo o país, especialmente sua terra natal o estadode Minas Gerais.
         Na época do processo de impeachment de Fernando Collor de Melo Pedro Onofre estava completando 10 anos de vida. Os pais viviam suas vidas profissionais conseguindo com bastante sacrifício harmonizar suas agendas tão diversas. Com o tempo passaram a residir a maior parte do tempo na cidade por causa das crianças que tinham que ir a escola. Nos finais de semana quase sempre iam para a fazenda, salvo um final de semana que era destinado ao encontro com os avós paternos.
         Quando cresceram eles seguiram diversas carreiras, menos as dos pais. A mãe Isabel, reduziu o número de exposições e concentrou seu trabalho em um leque menor de opções. Tinha agora a opção de escolher a dedo onde e quando queria expor seus trabalhos. Assim a convivência com o marido e os filhos pode se tornar mais efetiva. Assim aumentou a harmonia geral. Os avós assistiram aos primeiros passos dos netos na vida acadêmica, antes de partirem para a eternidade.

 

                        Fim.
 
Orquídea.

 

Orquídea.

 

Paphiopedilum.