Arquivo da tag: #Jesus de Nazaré

As religiões do mundo no tempo de Jesus de Nazaré

AS RELIGIÕES DO MUNDO

 

Ao atingir a vida adulta, Jesus se separou da família, pois estava em andamento sua conscientização da condição humana/divina que constituía a sua natureza. Na falta de trabalho em Nazaré, foi para a cidade vizinha onde trabalhou por alguns meses em atividades metalúrgicas; trabalhou por um longo período na oficina de fabricação de barcos, pertencente à Zebedeu, à margem do lago Tiberíades. Desenvolveu inclusive um novo modo de fabricação, que tornava as embarcações mais seguras e velozes. Harmonizou as dimensões, o calado, comprimento e condições gerais de equilíbrio, mesmo sob tempestades, no mar agitado.  Em algumas ocasiões viajou para cidades próximas, procurando conhecer os seres humanos, apreender seus hábitos, costumes. Para isso precisava entrar em contato com pessoas provenientes de todas as nações. Havia descoberto que não era apenas enviado para a Palestina, mas para toda a humanidade, inclusive para os habitantes inteligentes dos outros mundos do universo de sua criação. Quanto melhor conhecesse todos os povos, maior seria sua capacidade de ministrar o anúncio do Reino de Deus, seu Pai Celeste, residente no Paraíso, centro do Superuniverso.

Continue lendo

Livro de Urantia – Evangelhos truncados. Foi proposital ou não?

Por que os evangelhos não contam toda vida pública de Jesus?

 

 

Se somarmos as páginas dos quatro Evangelhos que nos foram deixados pelos seguidores de Jesus Cristo, iremos encontrar uma ínfima parte do que é ocupado pelos relatos constantes no Livro de Urantia, somente sobre a vida pública do Mestre. O tempo que passou ensinando os apóstolos, a escola dos evangelistas e as caminhadas evangelizadoras, perfazem um total muito mais volumoso e amplo de relatos, ensinamentos e fatos ocorridos, do que conseguimos reunir nos Evangelhos juntos. Se reunirmos os evangelhos ditos “apócrifos”, eliminados por razões, nem sempre muito claras, ainda assim, ficaremos distantes das mais de setecentas páginas do capítulo IV do Livro de Urantia.

Continue lendo