Fantástico mundo novo! Vol.II – Surge nova sociedade – capítulo I – Nasce Kibong.

Nasce Kibong.

 

Mink dormiu bem naquela noite. As palavras de Arki tiveram efeito de acalmar seu espírito, apesar de conterem uma porção de novas informações novas. Pela manhã estava desperto, tão logo ouviu ruídos vindos dos aposentos dos pais e das irmãs. Levantou e foi lavar-se antes de todos. Estava especialmente conversador, falando de tudo, perguntando sobre diversas coisas.

Aos poucos todos iam emergindo de suas alcovas e vinham se lavar. Mesmo sendo dia de descanso, o hábito de levantar cedo lhes impedia de ficarem deitados até mais tarde. Logo se estabeleceu uma conversação e, como não poderia deixar de acontecer, o assunto era a reunião naquela tarde para discussão e possível aprovação das leis. Até existia o rumor de que iriam discutir um nome para sua aldeia. Se tinham pretensão de crescer e transformar-se em cidade, ela precisaria ter um nome. Não poderiam referir-se a ela como “Cidade sem Nome”. Haveria alguma coisa com que associar ao nome, de modo a torna-lo fácil de lembrar? As sugestões eram variadas, algumas esbarravam em nomes longos, o que era inviável. Outras não faziam o menor sentido, menos para quem dava a sugestão. Muita gente se abstinha de opinar, pois esperavam que a comissão de elaboradores das leis também tivesse um nome para propor.

Nesse clima transcorreu a manhã, estando os homens diante de casa, aproveitando o sol, que não estava muito forte, graças a algumas nuvens que lhe quebravam a intensidade. Alguns transeuntes passavam e os cumprimentavam, outros paravam para um instante de conversa, uma informação, seguindo depois seu caminho. Todos aguardavam a hora de se reunirem no espaço do porto, depois do almoço. Nas cozinhas as mulheres em geral estavam ocupadas com a preparação da refeição, mas também suas conversas giravam em torno do mesmo assunto, embora sobrasse pouco tempo para isso.

Tão logo o sol atingiu o zênite, as ruelas se esvaziaram, pois, todos estavam sendo convocados pelas respectivas donas de casa para a refeição. A proximidade das casas entre si, permitia que o cheiro dos pratos fosse sentido a boa distância, gerando uma mistura de odores diversos, um mais estimulante que o outro. Ao entrarem na própria casa, estavam com o olfato até um pouco embotado com a variedade. Depois de ocuparem os respectivos lugares, foi hora de tomarem conhecimento do que havia para comer. Todos se deliciaram com um prato de carne de cabrito, saladas, inhame cozido de modo especial como só Muhn sabia fazer. Para terminar uma salada de frutas, compradas especialmente isso.

Quando terminaram, estavam todos satisfeitos e ligeiramente sonolentos. Ainda restava algum tempo para o momento de se dirigirem ao local da reunião. Poderiam cochilar um instante. Só não poderiam se descuidar, do contrário dormiriam a tarde inteira e perderiam o mais importante do dia. Muhn e as filhas cuidaram rapidamente dos afazeres na cozinha, deixando tudo arrumado. Queriam também participar da reunião. Afinal havia sido deixado claro que não haveria distinção de sexos na legislação que seria proposta. Isso lhes dava o direito de participar também das reuniões, bem como contribuir com seu voto para aprovação ou não das propostas. No momento oportuno, Muhn se encarregou de chamar a todos, alertando estar na hora, se não quisessem perder o início.

Juntaram-se aos grupos de vizinhos e amigos que também estavam caminhando pelas ruelas, rumando para o porto. Ali, um dos depósitos que estava desocupado no momento, fora deixado em condições de acomodar uma pequena multidão. Bancos haviam sido trazidos de vários lugares, outros improvisados, procurando oferecer o conforto que fosse possível a todos. As discussões seriam provavelmente longas, talvez fosse necessário dividir os debates em duas etapas, para melhor apreciação de tudo. Por mais sucinto que fosse o texto, era primordial que todos entendessem corretamente e assim pudessem dar seu voto ao final. Ninguém desejava que, depois de votado e aprovado, o estatuto começasse a ser contestado em poucos dias.

O Mestre Zósteles ficou encarregado de fazer a leitura do texto geral, artigo a artigo. Diante de sua figura, embora já aparentando os anos, estabeleceu-se respeitoso silêncio. O grupo dos que se propunham a dificultar a aprovação, tomou posição em bloco, não permitindo que os demais se misturassem entre eles. Eram na verdade os mesmos que haviam começado por criar dificuldades desde o começo. Em verdade ambicionavam ocupar o poder e assim fazer valer sua vontade. Até o momento não haviam logrado êxito em trazer para o seu lado a grande massa popular. Conhecendo-lhe os modos mais rudes e prepotentes, a população em geral os renegava. Conviviam, porém, em questões administrativas do bem público não os queriam em posições de comando.

Uma vez todos acomodados, o Mestre começou a leitura, que trazia uma breve introdução, onde era apresentada a sugestão de dois nomes para a aldeia, a ser usado oficialmente. Eram Kibong e Xikiang. Era o primeiro ponto a ser votado. Seguiu-se um breve murmúrio e Agik tomou a palavra dizendo:

– Quem for a favor do nome Kibong, levante-se por favor.

Fez-se uma rápida avaliação e novamente:

– Quem preferir o nome Xikiang, levante-se por favor!

Os primeiros ficaram sentados e os demais levantaram, sendo que o grupo dos dissidentes permaneceu sentado nas duas ocasiões. Porém o grupo dos que haviam apoiado a opção Kibong, era muito superior ao outro. Mesmo juntando os dois grupos contrários, não seriam suficientes para descartar a escolha. Ficou, pois, escolhido o nome para a aldeia, pretendente ao status de cidade. Daquele dia em diante ali seria Kibon. Iriam enviar comunicações às cidades e localidades vizinhas, informando da decisão. Uma salva de palmas ecoou no recinto com o anúncio do nome da cidade.

Houve quem quisesse questionar entre os discordantes do grupo de oposição, porém, reunindo-se os dois grupos totalizariam algo em torno dos 35% do total de presentes. Seguiu-se à leitura dos artigos que determinavam a forma de organização político/administrativa, sendo votados e aprovados um a um. Apenas um deles mereceu uma ressalva, com o que a maioria concordou, ficando anotada a correção a ser feita. Zósteles pediu a Mink que estava ao seu dispor para que fizesse a correção, permitindo assim a aprovação imediata, sem ser preciso fazer nova reunião. Seguiu-se a votação pelo resto da tarde, sem maiores incidentes. Ao todo foram dez artigos que tiveram ligeira modificação, mas tudo foi resolvido imediatamente. Até mesmo um dos dissidentes levantou duas questões para análise.

Proposta a alteração à assembleia, houve concordância geral e processou-se a alteração. Ao final da tarde, todos os artigos haviam sido submetidos à votação e aprovados. Era chegado o momento de criar uma comissão para gerir os destinos no período necessário para eleger os dirigentes e legisladores. Haveria as candidaturas e posteriormente seria feira a eleição. Tudo isso demandaria algumas semanas para o surgimento dos candidatos e posterior eleição. A comissão de elaboração fora extremamente conscienciosa. Haviam criado uma estrutura simples, enxuta e eficiente. Um gestor da coisa pública, tendo um auxiliar encarregado de arrecadar os impostos, outro da administração urbana e um terceiro se ocuparia das questões culturais, ensino e saúde. Para começar, isso seria o suficiente.

Haveria nove vagas no corpo legislativo, que se encarregaria de criar as leis complementares necessárias ao trato de uma porção de assuntos no decorrer do tempo. A sensação, ao deixarem o recinto, sentida pela maioria foi a de que haviam dado um passo importante na vida da comunidade. Evidentemente haveria vozes discordantes, o que aliás, seria muito normal. A unanimidade costuma ser perniciosa, pois dá aos ocupantes das funções a ideia de onipotência e correção absoluta de seus atos. Uma oposição inteligente seria benéfica, pois provocaria os debates necessários ao aprimoramento de todo sistema. Havia sido estabelecido o prazo de duas semanas para apresentação e registro dos candidatos, tanto para o cargo executivo, quanto os legislativos. Em princípio qualquer morador da aldeia poderia se inscrever e desenvolver gestões para angariar os votos dos demais.

Mink e outros colegas das aulas de escrita e leitura, haviam participado para auxiliar nos momentos de esclarecer, reelaborar alguma parte do texto. Foram unânimes em apresentar as felicitações aos membros da comissão elaboradora. Sem exceção, mesmo os recentemente integrados à comunidade, eram dignos de louvor pelo bom trabalho que haviam feito. Era visível em muitos rostos a satisfação, até mesmo uma ponta de orgulho de poder agora dizer-se cidadão de Kibong. Não mais teriam que dizer viver numa aldeia de pescadores e nas cercanias de um porto de pouco movimento. Este estava tomando impulso nos últimos tempos, enquanto a pequena aldeia sem nome, agora tinha um nome. Em muitas casas o jantar daquela noite seria mais festivo do que o normal. Um clima de euforia reinava no ar.

As duas semanas seguintes foram intensas para a comissão eleitoral. Surgiram inicialmente cinco candidatos ao cargo executivo, sendo dois entre os opositores e três entre os demais. Houve pressão de alguns vizinhos sobre Sock para que se apresentasse como candidato. Ele recusou, porém Sumock decidiu concorrer a uma das vagas para o legislativo. Os vários “estrangeiros” não quiseram fazer parte dos candidatos no primeiro pleito. Talvez em futuras ocasiões, uma vez integrados totalmente na comunidade, pensariam no caso. Vários comerciantes e também trabalhadores quiseram ter a honra de disputar a primeira eleição na comunidade, depois da implantação de um sistema administrativo com leis escritas. Ao final do prazo de duas semanas, haviam restado três candidatos ao executivo e 30 concorriam ao legislativo. O bom senso levara os outros a desistir em favor dos mais preparados.

Formaram-se correntes de divulgação das candidaturas, algumas reuniões em que os candidatos falavam de seus planos, se fossem eleitos. Ainda não estavam contaminados por vícios próprios de outras sociedades, onde esses processos eletivos causavam grandes polemicas, até mesmo conflitos sérios. Até mesmo os adversários conversavam e trocavam impressões, num clima de cordialidade. A campanha dos candidatos durou duas semanas, antes do dia em que os cidadãos estavam convocados a depositar seu voto de confiança em um e outro candidato. Ninguém havia pensado em elaborar uma lista de eleitores, pois, praticamente todos eram conhecidos de todos. Ninguém pensara na possibilidade de fraudes de alguma espécie.

Nesse clima, chegou a véspera do dia de descanso, no qual iria ocorrer a eleição. A falta de outro meio de manifestar sua vontade, o voto seria dado de viva voz, sendo que cada cidadão poderia votar em um candidato para cada função. Dessa forma, os eleitos saberiam quem fora responsável pela sua vitória. Mas ninguém estava preocupado com isso. Um grande quadro com os nomes de todos os candidatos havia sido colocado em posição visível e após a emissão de cada voto, era feito um risco ao lado dos nomes indicados. Tudo isso sob a supervisão de vários fiscais. O encarregado de fazer os riscos poderia, se assim desejasse, acrescentar riscos extras no nome de sua preferência. O processo correu em ordem, só havendo alguma perturbação, sem gravidade, no momento do comparecimento dos eleitores membros da chamada oposição. Chegavam falando alto, alardeando vitória e prometendo um governo firme. Nada que afetasse a lisura do processo.

Ao final do processo, não havendo mais ninguém para participar do processo, procedeu-se à contagem dos votos, com a presença de todos os candidatos, além de outros membros da comunidade, interessados em saber do resultado imediatamente. Fez-se a contagem dos votos e verificou-se se o número de votos dados aos candidatos ao executivo, conferia com o dos votos dados ao legislativo. Foi preciso recontar duas vezes para confirmar, pois em uma ocasião ocorreu uma diferença de dois votos no total. Poderia haver um erro de contagem ou o esquecimento de anotar um ou dois votos.  Feita nova contagem, o resultado foi o mesmo da primeira, confirmando a correção de tudo.

Inconformado com a derrota evidente, o candidato da chamada oposição, exigiu nova contagem, porém nada foi alterado. O candidato vencedor para o executivo foi um próspero comerciante, na casa dos quarenta anos de idade. Equilibrado, tido como honesto e trabalhador. Era sempre um dos primeiros a tomar a frente nos momentos de alguma crise ou problema, contribuindo e trabalhando incansavelmente pela solução. Parecia o nome mais indicado para esse primeiro pleito. Tinha um vice para o caso de algum impedimento temporário, como viagem ou doença. Este seria o segundo mais votado, que ficou com o outro candidato, deixando o oposicionista de fora.

Entre os nove legisladores estava Sumock, como o segundo mais votado. Os demais faziam parte dos deferentes segmentos da comunidade. Dessa forma estava encerrado o processo da primeira eleição de Kibong. Agora caberia aos eleitos começar a exercer suas funções. Diante dos presentes foi redigida uma espécie de ata, servindo de confirmação dos eleitos e ao mesmo tempo de termo de posse. Todos assinaram ou deixaram uma marca que os identificava no documento final.

O gestor aproveitou para convocar uma reunião para a noite do dia seguinte, em sua casa. Iriam discutir as primeiras providências, principalmente a sede administrativa e o local de reunião dos legisladores. Teriam que escolher um imóvel desocupado para poder ser usado imediatamente. No futuro seria construída uma sede para a administração, mas no momento precisariam de um local para colocar em funcionamento a administração pública. Com uma salva de palmas que ecoou no ambiente, ele se despediu, agradecendo aos eleitores. Todo povo se recolheu as suas casas. Aqueles cujos candidatos haviam sido eleitos, festejavam, enquanto os derrotados lamentavam, mas muitos sabiam de antemão do resultado, não tendo, pois, ilusões quanto a isso.

Voltando à véspera, vamos encontrar Mink esgueirando-se para o alto do penhasco, na esperança de encontrar o seu amigo Arki. Ao lá chegar, sentou-se olhando fixamente para o céu. Alguns instantes depois viu os sinais costumeiros e esperou pelo anjo. Mal teve tempo de piscar e logo ouviu a voz que dizia:

– Salve, amigo. Você está pensativo?

– Salve, amigo! Estou sim, um pouco.

– Posso saber o motivo?

– Amanhã é o grande dia da eleição dos nossos governantes. Desde a sua última visita, ocorreu a aprovação das leis gerais, os candidatos à eleição se apresentaram e amanhã teremos a eleição. Estou um pouco preocupado.

– Confie, amigo! Confie! Tudo irá correr bem. Pequenos incidentes fazem parte de processos dessa natureza.

– Mas depois de eleger as pessoas, elas precisarão fazer uma porção de coisas para realmente ter valido à pena. Eu não sou candidato, mas me preocupo com o que eles irão fazer.

– Isso é e também não é problema seu, amigo. Se eles se apresentaram como candidatos e forem eleitos, devem ter alguma coisa em mente. É tudo um processo de aprendizagem. Isso é problema deles, certo?

– Pensando assim, fica mais fácil mesmo

– Se você se sentir prejudicado por alguma decisão deles, o problema começa a afetar sua vida. Devem ter um meio de poder apresentar alguma reclamação, sugerir mudanças. Eles serão eleitos para governar pelo povo e para o povo. Eles não terão o direito de fazer o que bem entenderem.

– Eu não havia pensado nisso. Se eles errarem, teremos que tomar providências para corrigir os erros. Isso mesmo.

– Ninguém pode querer ocupar todos os postos, pois não existe tempo nem condição de fazer isso. Uma sociedade precisa se desenvolver, usando seus erros como ensinamentos para o futuro. Se errar e continuar fazendo a mesma coisa, com certeza irá causar sérios problemas. Já se tomar consciência do erro e evitar fazer as mesmas coisas novamente, estará aprendendo e crescendo.

– Obrigado pela lição, amigo. Eu estava morrendo de preocupação com as coisas que podem sair erradas. Esqueci que sempre haverá oportunidade de mudar e recomeçar.

– Você precisa anotar isso muito bem. Terá ocasião de se defrontar com essas situações no futuro em muitos momentos. Não poderá sequer demonstrar nervosismo. Precisará estar muito calmo, dominando seus sentimentos e mantendo o controle.

– Meu coração se acelera, só de ouvir você falar. Ainda bem que vai demorar bastante tempo ainda, para que eu consiga aprender tudo isso.

– Você vai receber muita ajuda, disso não deve duvidar. Mas há situações em que será só você a decidir e ninguém mais. Por isso comece a treinar sua mente para esses momentos. Disse bem! Ainda há muito tempo, mas ele também passa depressa. Já faz bem mais do que seis meses que estamos nos encontrando. Nem viu esse tempo passar.

– Pois é mesmo! Havia me esquecido disso. Logo completo onze anos de idade.

– Depois serão doze, treze e quando perceber estará com trinta. Essa será a hora de ocorrer o transporte e você precisa estar preparado.

– Vou estudar bastante. Se puder viajar para algum lugar e conhecer como as coisas são feitas por lá, creio que também me irá ajudar.

– Mas para viajar sozinho terá que esperar ter um pouco mais de idade. Não deve se arriscar, pois não conhece os perigos do mundo. Aqui vocês vivem num pequeno paraíso. Há muita maldade espalhada por aí a fora.

– De vez em quando eu esqueço que ainda sou criança. Gostaria de começar logo a trabalhar e aprender cada vez mais.

– Seu Mestre deve dispor de alguns pergaminhos com leituras sobre outros lugares. Poderá viajar por alguns lugares, por meio da leitura. Afinal está aprendendo Grego e essa língua, pelo que sei, é bem rica em filosofia, matemática e poesia especialmente.

– Acho que ele tem mesmo alguns. Vou perguntar se me empresta. Isso irá ajudar no aprendizado da língua.

– Uma coisa que seria importante que fosse criado na cidade, seria uma biblioteca. Um lugar onde as pessoas podem pegar livros emprestados e devolver depois de terminar a leitura.

– Tomara que meu irmão seja eleito para o legislativo. Assim ele poderá apresentar projetos que eu queira sugerir.

– Não faça disso uma forma de abusar e tentar impor sua vontade. Faça seus pedidos somente depois de pensar muito, pesar as consequências.

– A gente pode ficar tentado a influir no resultado da administração e isso seria uma forma desleal de agir, não é verdade?

– E a lealdade é uma das virtudes mais importantes. Ninguém gosta de pessoas desleais. Elas acabam sem amigos e ficam isoladas. Para a sua missão seria fatal. Significaria o fracasso na certa.

– Nem posso pensar em algo assim. Com a missão que aceitei, estaria perdido. Vou precisar de toda ajuda possível para aprender todas as lições de humildade, lealdade e sabedoria que puder. Só assim terei chance de levar a bom termo o trabalho.

– Poderá sempre contar comigo, especialmente quando estiver em dúvida. Peça ajuda e eu vou encontrar um meio de orientar sua vida.

– Isso me deixa mais sossegado. Me conte alguma novidade que eu não saiba.

– Para começar, posso dizer que cada ser humano tem sempre por perto pelo menos três anjos da guarda. Um serafim, um querubim e um senobim. Eles protegem vocês contra os males mais severos, mas é preciso se deixar guiar por eles.

– Três anjos? Onde eles estão? Nunca vi nenhum deles.

– Nem poderia ver. A visão dos humanos não pode ver os seres angélicos, a não ser que eles assumam temporariamente a forma humana. É o que eu faço para vir falar com você.

– E você é de qual tipo de anjo?

– Eu sou um arcanjo. É uma outra categoria, criada para determinadas tarefas.

– Quer dizer que Deus criou os diferentes tipos de anjos, conforme o trabalho que espera que eles façam?

– Podemos dizer que é isso. A hierarquia no Reino de Deus, o grande Universo, é bastante complexa. Nem eu sei tudo. Sou um dos ‘pequenos’ nessa hierarquia.

– Complicado isso! Algum dia vou entender tudo isso?

– Você só irá conhecer ‘quase’ tudo, quando chegar ao Paraíso, no fim de sua jornada evolutiva, daqui a muito tempo. Mesmo assim, vai haver coisas que ficarão sendo mistério.

– Acho melhor nem fazer força demais para entender. Corro o risco de ficar maluco se tentar.

– Eu poderia explicar para você o que é um Brilhante Estrela Vespertino, um Brilhante Estrela Matutino, um Melquisedec, Ancião dos Dias, um seconafim, omniafim e outras categorias mais. Seria apenas para criar confusão na sua cabeça. Melhor nem começar, por enquanto pelo menos. Vamos indo no ritmo que estamos. De pouquinho em pouquinho você irá entender. Mais uma vez, amigo: não tenha pressa demais. Devagar e sempre em frente.

– Obrigado por me escolher, amigo.

– E você pensa que fui em quem lhe escolheu?

– E quem mais poderia ser?

– Eu fui mandado pelo Soberano do nosso sistema. Foi ele quem te escolheu. O nome dele é Manótia Melquisedec.

– E esses seres todos tem nome?

– E por que motivo ele não teria nome? No universo, todos têm nome e número. O Pai Universal conhece um por um.

– Que memória ele tem. Deve ser por isso que é Deus Todo Poderoso.

– Pode ter certeza que é isso. Agora vá para sua casa dormir, pois amanhã terá um dia longo pela frente.

– Até outra vez, amigo.

Arki acenou, inclinou a cabeça e sumiu. Logo a estrelinha piscou e Mink desceu de seu observatório.

Décio Adams

decioa@gmail.com

adamsdecio@gmail.com

www.facebook.com/livros.decioadams

www.facebook.com/decio.adams

@AdamsDcio

Telefone: (41) 3019-4760

Celulares: (41) 9805-0732 / (41) 8855-6709

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *