O professor não é educador! – Parte VI

Parte VI

 

Um resultado interessante do conteúdo do livro O professor não é educador, foi uma ação desenvolvida por Edésio Reichert em conjunto com um grupo de empresários, foi a aquisição e doação de globos terrestres e mapas mundi, do Brasil e do Estado. Fizeram a doação desses materiais para uma escola, de modo que nenhuma das dez salas de aulas ficasse desprovida de um exemplar de cada um dos mapas, bem como um globo. É considerável a mudança proporcionada no desenvolvimento das aulas de geografia e história nessa escola. Vamos ver o vídeo, que mostra os alunos em atividade em uma das salas. Pode-se fazer muito, com pouco dinheiro. Não é necessário um imenso capital para tornar essas coisas simples realidade.

https://www.youtube.com/watch?v=6HP6MA_YS0E

Mais um produto resultante do trabalho de Armindo Moreira. A base para o resultado final, foi uma Caixa métrica, existente em tempos idos nas escolas portuguesas. Nessa caixa havia os materiais concretos para ensinar noções de medidas, formas geométricas, ângulos, áreas, volumes, capacidades de recipientes e equilíbrio de corpos, aplicando o princípio da balança de pratos.

Edésio Reichert levou a ideia a uma empresa de brinquedos e a proprietária, junto com a equipe técnica, desenvolveu um Armário Métrico. É provido de réguas, esquadros de diferentes modelos, retângulos, quadrados, circunferências, paquímetro, balança de pratos, recipientes para comparar capacidades. O resultado foi encantador e de baixo custo. O vídeo a seguir apresenta a demonstração do armário para uma equipe de professores no município de Toledo, deixando a todos encantados com as possibilidades de desenvolvimento de aulas concretas. Evitando assim a introdução de tecnologias virtuais e avançadas, de maneira precoce na vida de aprendizagem do aluno. O conceito é que criança aprende com o concreto, manipulando os objetos, sentindo lhes a textura, a forma, a dimensão. Quanto a isso, sou testemunha pessoal. Em criança convivi muito com meu avô e aprendi o uso de esquadro, pua, formão, serras e demais ferramentas. Fio de prumo e outros recursos, sem nenhuma tecnologia avançada, mas de imenso valor na aprendizagem de conceitos fundamentais.

Como não há essa possibilidade de ter essa forma de vivência nos dias atuais, o uso de material concreto para o ensino desses conteúdos nas escolas é fundamental. Espero que isso não seja apenas uma iniciativa isolada, sem repercussão no resto das escolas. É necessário difundir essas ideias e materiais, tornando o aprendizado dos nossos alunos mais proveitoso e prazeroso.

Vejam o vídeo.

https://www.youtube.com/watch?v=sdU3oNCFjqE

Convido a todos os leitores, espectadores para difundir, divulgar esses materiais. Os vídeos estão disponíveis no Youtube, sendo permitido a qualquer um a divulgação e difusão do conteúdo. O objetivo é fazer essas ideias chegarem a todos os recantos do nosso imenso país. Muito podemos fazer, sem necessidade de grandes gastos, investimentos altíssimos. Disso sou testemunha viva. Nos últimos anos de atividade como professor na hoje UTFPR, fui chefe do laboratório de física. Ao sair dali para a aposentadoria em 2003, deixei em uso uma porção de equipamentos simples, feitos com restos da marcenaria, alguns pregos e pedaços de chapas metálicas. Tudo reutilizado, nada comprado. Com esses equipamentos eram realizadas diversas experiências de cinemática que, sem seu concurso, eram explicadas apenas com desenhos no quadro, nas folhas de papel, ilustrações em livros ou apostilas. Com o uso desses equipamentos, as fórmulas e cálculos ficaram fazendo sentido, pois se baseavam na observação, medição e análise dos resultados. Posso afirmar que dessa forma o aprendizado era muito mais consistente. E eram usados no ensino médio, ou seja, curso Propedêutico.

Décio Adams

decioa@gmail.com

adamsdecio@gmail.com

www.facebook.com/livros.decioadams

www.facebook.com/decio.adams

@AdamsDcio

Telefone: (41) 3019-4760

Celulares: (41) 9805-0732  / (41) 8855-6709

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *