Um japonês especialista em cachaça – Capítulo XV

  1. Batisando as crianças.
GRD_69_cert_batismo_un

Modelo de certidão de batismo, usado em paróquias brasileiras.

 

Instalados em sua casa, os pequenos logo se habituaram aos ruidos do lugar. Até Lobo os quis conhecer. Ao sairem de casa, levando os meninos em cadeirinhas do tipo “bebê conforto”, o animal pôs-se a choramingar perto da porta. Parecia implorar para ver os dois. Depois de pensar um pouco, Eduarda se aproximou do lugar em que ele estava e ele ficou louco de faceiro. O medo inicial cedeu e deixaram que ele viesse para perto. Colocaram as cadeirinhas lado a lado, separadas por um pequeno espaço. Foi ali que ele se deitou e olhava ora para um lado, ora para o outro. Dava impressão de dizer:

– Eu vou proteger esses pequenos de qualquer perigo.

Não esboçou nenhum movimento mais brusco que pudesse assustar aos dois, nem sequer tentou lamber-lhes o rosto. Depois de ficar ali por alguns minutos, Manoel o convidou a voltar para o seu cercado. Ele levantou e foi obedientemente. Enquanto isso os meninos continuavam a dormir placidamente. Embarcaram no carro e foram ver os avós. Seria a primeira visita a casa dos velhos. Iriam combinar o batisado que teria lugar no próximo domingo. Teriam que participar do curso de batismo, exigência da diocese, tanto para os pais como os padrinhos.

Haviam escolhido a irmã e um irmão de Eduarda. Para completar haviam convidado Toshyro e Arminda. Assim estava complete o quarteto e iriam participar na tarde daquele sábado do curso. Assim poderiam realizar a cerimônia sem problema. Iriam iniciar a vida dos filhos na Igreja como haviam feito seus pais há tantos anos, perdidos no passado. Eduarda conseguira levar Manoel para a igreja ultimamente. Durante anos ele ficara desleixado. Cada carta que vinha de Ancede, trazia recomendações da mãe para não deixar de rezar, ir a igreja. Prometia ir no próximo domingo, mas alguma coisa acontecia e a promessa ficava para outro dia. Assim o tempo passou.

Agora, com o nascimento dos filhos, saudáveis e fortes, Eduarta tinha mais um argumento para fazer que a acompanhasse no sábado a tarde, ou domingo pela manhã. Até confessor-se ele aceitara. Passara a lembrar da hora dos compromissos na igreja, coisa que antes não era de seu hábito. Dessa forma Eduarda ficou muito satisfeita. Era devote e cumpridora dos preceitos religiosos. No começo aceitara a quase indiferença do marido, mas quando este aderira à prática assídua, se regozijara. Agora com os filhos, seriam não mais dois a comparecerem às cerimônias e sim quatro. Ele tinha trazido na época em que emigrara de Portugal, por insistência da mãe, os comprovantes de batismo, crisma e primeira comunhão. Assim fora fácil tratar dos documentos por ocasião do casamento.

Como eram casados no religioso na mesma igreja onde iriam batizar os filhos tudo estava acertado. No decorrer do curso de batismo, membros ativos da comunidade, especialmente preparados para a finalidade, orientavam quanto aos compromissos de pais e padrinhos. Batisar não era apenas uma cerimônia, um evento social. Ao pedir o batismo para os filhos e afilhados, pais e padrinhos assumiam perante a comunidade eclesial alguns compromissos. Caberia aos padrinhos substituir os pais em caso de morte ou impossibilidade por outro motivo, na educação dos novos membros da igreja.

Foi deixado bem claro. Os “compadres” e “comadres” não se destinavam apenas a beber cerveja juntos por ocasião dos aniversários, ou fazer fofoca tomando café com bolinhos. Toshyro estivera também por longo tempo afastado de artividades religiosas, servindo a ocasião para sacudir um pouco sua indolência nesse sentido. Foi preparado um churrasco para os familiares dos pais e padrinhos, no espaço existente nos fundos do bar. Logo ficou fechado no canil para não perturbar.

batismo1-8x6

Outro modelo de Cerdidão de Batismo

images

Lembrança de batismo

 

Na manhã do próximo domingo, as famílias se reuniram na igreja, junto com outras que também iriam batisar os filhos. A missa transcorreu normalmente e depois teve lugar a cerimônia do batismo, numa capela lateral da matriz. Ali havia a pia batismal, contendo a água, benta por ocasião da missa do galo na noite do sábado da ressurreição. Os pequenos em geral reclamaram da água fria que lhes foi despejada, embora em pequena quantidade, sobre a cabeça. Foi uma sequência de choros fortes de descontentamento. As demais fases como unção com óleo, a pitada de sal na boca, tudo foi completado. Dessa forma, sendo mais de meia dúzia de candidatos ao sacramento, transcorreu quase uma hora até terminar.

Com as certidões na mão, todos se retiraram após o fim da cerimônia. As mães e madrinhas tinham a preocupação adicional de verificar o estado das fraldas de seus pimpolhos. Estavam há bastante tempo ali e poderia ter acontecido algum “acidente” de mau cheiro. Nos últimos minutos da cerimônia for a sentido um leve odor que sugeria algo estranho. Eduarda e as duas madrinhas estavam desconfiadas de que eram as portadoras dos autores da façanha. Quando removeram as camadas de cobertores e roupas que os envolviam, tanto José Francisco, quanto João Antônio, estavam com as fraldas “cheias”. Aquele leve cheiro sentido antes estava ali configurado.

vela_de_batizado_azul

Velz de batizado, em azul para menino.

GRD_2945_certificado-batismo-41-

Lembrança/certidão de batismo.

 

Manoel olhou para eles e falou:

– Estes nossos filhos não são lá muito respeitosos com o padre, não achas, querida?

– Não tem nada a ver, meu bem.

– Mas precisavam encher as fraldas logo na hora do batismo? Esses meninos vão dar o que falar.

– Deixa pra lá seu Manoel, – falou Arminda. – Isso acontece toda hora. Quando é a hora a coisa vai e pronto.

– O Manoel está mangando com vocês. Eles que tratem de se comportar no futuro, principalmente na hora de ir a igreja.

– Vai ser difícil ensinar isso a eles, minha filha.

– É, acho que não vai mesmo. Veja a cara de safado que estão fazendo os dois?

CIMG3245

Vela especial para o batismo.

 

De fato os dois meninos, vendo-se livres das fraldas, cueiros e roupas, começaram a espernear e resmungar alegremente. Pareciam se divertir com sua nudez naquele momento. Logo foram trocados e vestidos novamente. Resmungaram um pouco mas logo se acomodaram. Primeiro um, depois o outro atacaram o “lanche” das dez e meia, que estava ali à disposição. Foi preciso esperarem um pouco para encetar o retorno para casa. Era desconfortável amamentar as crianças andando de carro. Mamaram o suficiente para tapear a forme mais urgente. Depois teriam tempo para completar a refeição.

Ao chegarem em casa, sentiram de longe o cheiro de carne sendo assada. Os irmãos de Eduarda haviam se encarregado do serviço de assar a carne. Dessa forma, não demorou para que a refeição fosse servida. Naquele dia não seriam servidas refeições no restaurante, para não sobrecarregar as cozinheiras. O bar ficaria fechado por um tempo até concluir o almoço dos convidados. Vários presentes foram trazidos pelos padrinhos, tios e amigos convidados. Era um exagero, mas vinha dado de bom coração e seria indelicado recusar. Eles tinham uma variedade enorme de roupas. Provavelmente haveria no final de tudo algumas sem terem sido usadas.

– Guarde o que não usar, para o próximo, minha filha.

– Mãe, eu acabei de ter dois e a senhora vem me falar do próximo? Vamos com calma que isso aqui não é mole.

– Mas as roupinhas não estragam. Eu sempre guardei as que estavam inteiras para usar no próximo. Você mesma, usou muita roupinha de sua irmã e até dos irmãos mais velhos.

– Eu vou querer ter, daqui a uns três ou quatro anos uma menina para completar. Aí já estará de bom tamanho.

– Cuidado! Podem vir mais dois, ou então duas.

– Vire essa boca para lá, dona Arminda.

– Começou com dois, pode muito bem continuar assim.

– Eu até iria ficar contente com duas rapariguinhas, – falou Manoel.

– Ele quer logo duas. Não é ele que carrega, dá de mamar e limpa os traseiros.

– Mas eu ajudo, quando posso.

– É melhor nem falar nosso. Não vale a pena discutir esse assunto, logo hoje, dia do batismo dos meninos.

Os assadores da carne haviam acertado a mão, preparando um assado saboroso, suculento e macio. Eram hábeis no ofício. Poderiam trabalhar como churrasqueiros e não fariam feio. Depois de todos satisfeitos, os ossos, com restos de carne, foram destinados ao cão, Logo. Ele, depois de receber o primeiro osso, se pusera a roer com afinco, arrancando os restos de carne, cartilagens e mesmo pedaços mais macios de osso. Olhando a quantidade de ossos, Manoel decidiu guardar um pouco para lhe dar em outro momento. Se recebesse demais, poderia ficar enjoado ou então deteriorar e fazer mal a ele. Pegou um saco plástico e guardou o excedente, que depois foi posto na geladeira.

As mulheres da família subiram para a moradia, enquanto Manoel e os demais foram para o bar. O movimento estava ficando forte, sendo necessária a presença deles, especialmente Francisco e Manoel. Os meninos, depois de terem se satisfeito, estavam dormindo angelicalmente. Uma chaleira de água foi posta para esquentar, visando a preparação de um bule ce chá. Seria a melhor bebida para depois de uma refeição lauta como for a o almoço, especialmente com muita carne.

Os convidados masculinos ficaram algum tempo entretendo-se na sala de jogos do bar, alguns sairam para atender compromissos diversos. As senhoras ficaram com Eduarda, depois desceram ao encontro dos maridos junto às mesas de jogos, ocorrendo inclusive algumas partidas entre elas, ou duplas mistas, casal contra casal. Ao entardecer se retiraram, deixando o espaço para os habituais frequentadores. Eduarda foi levar os pais para sua casa, deixando os meninos aos cuidados da empregada, pois não pretendia demorar. Os momentos mais significativos da data haviam sido registrados na camera fotográfica e de filmagem por dois amigos de Manoel. Iria mandar cópias para os irmãos e a mãe, que provavelmente ficaria muito satisfeita, vendo os netos gêmeos sendo batisados. Certamente seria um console em seus derradeiros dias.

Na segunda feira Manoel levou os filmes para a revelação. Mandou logo fazer duas cópias de cada, inclusive do filme em super 8. Mandaria para a família e eles poderiam ver como tudo correra. Tinha certeza que a qualquer momento receberia a notícia do falecimento da sua maezinha, pois sabia de seu estado precário de saúde. Agora estava rezando a Nossa Senhora de Fátima e também Aparecida, para dar tempo de fazer chegar até ela as imagens dos netos. Um telegram avisara sobre o ocorrido e recebera resposta avisando que a avó enviava sua benção aos netos. Sinal de que ela ainda estava viva, certamente esperando pelas fotos que iriam substituir os meninos, já que não seria difícil leva-los nesse momento.

Os desafios de Toshyro continuavam a ocorrer, agora com alguns tropeços do especialista, pois haviam surgido novas marcas de aguardente que ele não conhecera no tempo de suas viagens. Nesses casos geralmente conseguia identificar o estado ou a região aproximada de sua orígem. O que por sis ó era algo digno de nota, pois isso implicava em um paladar apuradíssimo, além do conhecimento dos solos das diferentes áreas do país.

Ao final da semana as fotos estavam prontas, os filmes também e sentou-se junto com a esposa para organizar um álbum para conservar com a família, um para cada qual dos meninos e um para enviar a avó em Portugal. Isso feito, preparou uma caixa apropriada para acomodar os objetos e escreveu o endereço cuidadosamente. Na segunda feira trataria de colocar no correio registrado. Deveria chegar tudo o quanto antes.

Realmente, três dias depois do despacho, recebeu um telegram avisando da chegada. A avó ficara emocionadíssima com as fotos e mais ainda com o filme exibido em um projector super 8 de propriedade do irmão. Mandava copiosas bençãos ao filho, nora e netos. Estava um pouco melhor de saúde nesses dias. Manoel temeu que fosse um mau sinal, pois é comum pessoas idosas e doentes, apresentarem uma aparente melhora e depois chegarem ao fim repentinamente.

Seus temores se confirmaram na semana seguinte. Num súbito impulse, passou numa agência da Varig, comprou passagem e foi para casa. Avisou Eduarda de sua viagem e preparou uma pequena mala. Não ficaria tempo. Apenas o suficiente para participar do sepultamento e resolver algum pequeno detalhe posterior. No máximo em uma semana estaria novamente em casa. Enviou um telegram avisando de sua chegada e foi para o aeroporto. Pouco depois embarcava, chegando à Lisboa por volta do meio dia seguinte. Um voo curto em avião menor o deixou próximo a Ancede. Assim, pelo meio da tarde chegou a tempo de dar à sua mãe o último adeus.

Os familiares entristecidos com o desenlace da velha senhora, mas ao mesmo tempo alegres com o ótimo estado de saúde do irmão, junto com a família recentemente acrescida de dois membros. Não havia muito que decidir depois do sepultamente. Não havia bens a dividir, com exceção de alguns objetos. A própria falecida se encarregara de destinar a maior parte de suas coisas para filhos, netos, netas, noras. Por último deixara para a nora brasileira um colar de pérolas, recebido do marido por ocasião do noivado. Era portanto algo de valor afetivo principalmente. Para o filho deixara um terço com crucifixo de ouro, trazido da Terra Santa por um padre que conhecera há muitos anos. Os novos netos receberam cada um um porta-retratos de prata, remanescente do tempo de sua juventude. Eram objetos de pouco espaço e não teria problema em transportar.

Visitou os irmãos, sobrinhos e mesmo sobrinhos-netos, pois os mais velhos dos irmãos já eram avós. Depois de seis dias revendo a terra natal, a saudade bateu e empreendeu a viagem de retorno. Não via a hora de ter os filhos nos braços, dar um bejio carinhoso na esposa e lhe fazer um afago. Era uma pessoa como poucas a sua Eduarda. Sabia ser esposa, companheira, amante e principalmente mãe, agora que os filhos haviam nascido. Nem assim descuidava dos outros afazeres. Parecia se desdobrar a cada hora do dia. Chegava a lhe dizer que não deveria se desgastar tanto. Acabaria ficando com estafa e isso não seria bom de modo algum.

Ela sempre lhe respondia que isso lhe dava prazer. O que lhe dava prazer não cansava, portanto, se um dia começasse a se cansar, iria diminuir esse ritmo com certeza. Dois dias depois de partir de Ancede, desembarcava em São Paulo. Tivera que pernoitar em Lisboa, pois não encontrara passagem para o dia em que lá chegara. Aproveitara para conhecer um pouco mais a capital da patria, pois apenas estivera ali de passagem em uma ou duas ocasiões, mesmo assim, há muitos anos passados. Com o tempo escasso, selecionou alguns pontos importantes para conhecer e levar umas fotografias que mostraria à esposa. Mais tarde as apresentaria aos filhos quando tivessem capacidade de entender o significado daquelas imagens.

Durante sua ausência Eduarda tomara conta dos negócios de modo admirável. Deixara um pouco mais aos cuidados da empregada os seus dois pimpolhos, que cresciam igual repolhos viçosos. Havia muitos afazeres envolvendo questões de banco, compras, pagamentos a serem feitos. Mas ela sabia se desincumbir maravilhosamente de tudo isso. Quando o viu desembarcando do taxi na frente do portão, correu ao seu encontro e o abraçou. Os meninos estavam no térreo, deitados em um carrinho duplo, levados pela empregada. Nos momentos de folga Eduarda lhes dedicava mais atenção, pois não queria que eles se ressentissem da ausência maternal. Sabia ser isso algo funcamental para o desenvolvimento de uma personalidade equilibrada e saudável no futuro.

Os objetos deixados em herança foram desembrulhados e entregues a quem pertenciam. Eduarda ficou extasiada com o colar de pérolas. O aspecto permitia ver tratar-se de jóia de grande valor, em especial por ser muito antiga. Mandaria aos cuidados de um joalheiro de confiança para fazer uma revisão geral, limpar e deixar como novo. Depois o usaria em ocasiões especiais. Teria gostado imensamente de ir conhecer a sogra, mas não for a possível. Lembraria sua pessoa a cada vez que tocasse naquele objeto. Os porta-retratos foram preenchidos com uma fotografia em close de cada um dos meninos, ficando depois colocados sobre a cômoda próximo à cabeceira dos berços. Por ora eles dormiam no mesmo, mas logo teriam que passar a usar os dois separados, pois estavam ficando crescidinhos para dormirem juntos.

Eduarda repassou todas as informações financeiras para Manoel, para que ele ficasse ao par de tudo que fizera, das decisões que tomara. Nisso as horas passaram e logo era hora de enfrantar o movimento da noite. Francisco estava visivelmente esgotado, pela sobrecarga dos últimos dias. Estava por merecer um alívio em suas tarefas. Manoel foi ocupar sua posição de sempre, ajudando sempre que possível ao empregado, para lhe tornar o fardo mais leve. Já não era exatamente um jovem. Passara dos 50 anos alguns meses antes. Isso começava a pesar sobre os ombros. Graças a Deus gozava de boa saúde e se alimentava bem. Era moderado na bebia e, sempre que possível, descansava bastante. Era um servidor de grande valia. Uma verdadeira mão direita.

Décio Adams

decioa@gmail.com

adamsdecio@gmail.com

www.facebook.com/livros.decioadams

www.facebook.com/decio.adams

@AdamsDcio

Telefone: (41) 3019-4760

Celulares: (41) 9805-0732  / (41) 8855-6709

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *