História de uma vida que termina. Vida que se renova sempre e sempre!

Uma vida que termina.

Vovô e vovó Adams

Reinoldo Adams e Leopoldina Bourscheitdt Adams

Em 21 de agosto de 1924, nasceu na região de Lnha Acre, hoje município de Cândido Godoy, Leo Anselmo Adams. Sexto ou sétimo filho do casal Reinoldo e Leopoldina Adams. Ficou mais conhecido entre familiares e conhecidos como Anselmo, parece para diferenciar de um tio que tinha o nome Leo Adams. Tanto foi que, em seu sepultamento no dia 21/06 deste, vários sobrinhos dele me perguntaram sobre o nome, pois apenas o conheciam pelo segundo nome, jamais tendo ouvido o primeiro.

Isso aconteceu com vários filhos do casal Reinoldo e Leopoldina. Havia dois com o nome João, sendo um João Armando e outro João Ignácio. Ficaram conhecidos como Armando e Ignácio, espantando muita gente ao ouvir-lhes o primeiro nome. Há também dois com o nome Afonso e Affonso. Eram Afonso Pio e Affonso Roque. Ninguém os chamou jamais por Afonso ou Affonso.

Avô Mathias e avó Bertha Dewes

Mathias Dewes e Bertha Seibt Dewes

No dia 08 de setembro de 1929, nascia Maria Dewes. Terceira filha do casal Mathias Dewes e Bertha Seibt Dewes. Seus irmãos anteriores eram Ottmar e Raimundo Dewes. Cresceu na região da Linha Marquês de Paranaguá e adjacências, onde mais tarde conheceu Leo Anselmo.

Vovó Bertha e uma neta.

Vovó Berta e uma neta.

 

 

 

 

 

 

Família Dewes 2

Vovô Mathias, Vovó Berta, os tios Ottmar, Raimundo, Evaldo, minha mãe Maria e as tias Hedda e Florida Lydia, no dia da primeira comunhão das tias.

Já aos 21, prestes a completar 22 anos, Leo Anselmo foi incorporado às fileiras do exército, na cidade de Santo Ângelo, poucos meses depois de encerradas as atividades bélicas da Segunda Guerra Mundial contra as nações do eixo Alemanha, Itália e Japão. Seu tempo de serviço foi de seis meses e alguns dias. Durante esse período, teve contato com as armas de guerra, sempre temendo um retorno do conflito, a qualquer momento. Eis algumas imagens desses dias da vida de Leo Anselmo, durante o serviço militar.

Viaturas com soldados em prontidão.

Pelotão de Jeeps em prontidão, com seus ocupantes

Bivaque de treinamento.

Barracas de bivaque em treinamento no campo

Tiro ao alvo com fuzil.

Treinamento de tiro ao alvo, com uso de fuzil.

Grupo de soldados diante da ruína de São Miguel

Imagem tirada diante da ruína da redução jesuítica de São Miguel.

Grupo de soldados ao lado de transporte de tropas.

Grupo de soldados, postados ao lado de viatura de transporte de tropas.

Foto de Leo Anselmo ao centro.

Foto de Leo Anselmo ao centro, com a estrela e equipamentos bélicos.

Soldados prontos para embarcar.

Caminhão de transporte, com soldados prontos para embarque.

 

 

 

 

 

 

Logo depois de ser excluido do exército, como reservista de primeira categoria, Leo Anselmo, tendo como objetivo reunir dinheiro para começar sua vida familiar, foi trabalhar na propriedade do Senhor Adalberto Bogorni, pai de duas filhas adolescentes e um menino menor. Os braços de Leo Anselmo vieram fazer o serviço pesado, que o senhor Adalberto não podia fazer, pois possuia também uma linha de ônibus, que ele dirigia.

Nesse tempo, conheceu Maria Dewes e, em princípio de junho do ano de 1948, casaram-se. Foram morar e trabalhar em Salvador das Missões, na época parte do Município de São Luiz Gonzaga, Distrito de Cerro Largo. Haviam compradoo, com dinheiro na maior parte emprestado, um moinho no estilo antigo. O milho e o trigo eram moídos na pedra, produzindo farinha de qualidade mais rústica. Hoje seriam bem valorizadas, pelos consumidores de produtos integrais. Naquele tempo, era o momento da expansão das moagens de trigo com processos modernos. Isso trouxe problemas de rendimento e o casal passou sérias dificuldades. Mesmo assim, conseguiram gradativamente juntar o dinheiro para pagar a dívida e comprar um pequeno pedaço de seis hectares de terra. Após dez anos, houve a possibilidade de vender o moinho e comprar uma colônia de terra, na Linha Paranaguá. Era tida como a pior colônia de terras na região inteira, ao ponto de haver quem dissesse: “Esse Adams, vai morrer de fome naquele morro vermelho, onde só dá formigas”.

Realmente, foi preciso gastar, para conseguir fazer crescer alguma coisa no primeiro plantio, 38 latinhas de formicida Blemco, que era usado para combater a saúva. Além disso, durante o trabalho de capina, cada um carregava no bolso um vidro com formicida granulado, para combater a praga. Os efeitos da erosão desenfreada, por falta de melhores cuidados, haviam deixado amplas áreas degradadas, ao ponto de os pés de milho atingirem, não mais de 25 ou 30 cm. Em lugar de verdes, ficavam azulados e nada produziam. Nem a mandioca, que gosta de terra ácida, crescia. Muitos cuidados, jogando qualquer palha e folhas disponíveis, nos locais degradados, plantando fileiras de capim limão, acompanhando a curvatura, aos poucos o solo foi recuperado. Tanto que, na época da venda, o valor foi idêntico ao que era cobrado por uma outra colônia, antes bem mais valorizada. Já havia sido comprada uma porção de terra no Paraná e a safra 1966/67, colhida no princípio de 67, foi excelente. Foi toda vendida, para reforçar o caixa da familia, que iria mudar-se para o Paraná.

 Essa união completou, há menos de três semanas, 68 anos de existência, tendo nascido dessa união, este que escreve estas linhas, no dia 23 de dezembro do mesmo ano de 1948.

Tios Ottmar, Raimundo, João Ignácio e Leo Anselmo

Companheiros de bailes, tios Ottmar, Raimundo, João Ignácio e Leo Anselmo (meu pai).

décio adams

Décio Adams, bebê.

décio adams com 4 anos.

Décio Adams, aos quatro ou cinco anos de idade.

Leo Anselmo e João Ignácio

Leo Anselmo Adams e João Ignácio Adams

Nascido, na antevéspera de Natal, fui batizado no dia 31 de janeiro, tendo como padrinhos, João Ignácio Adams e Clara Bogorni (Filha de Adalberto). Pouco tempo depois também fui crismado, por ocasião da visita do bispo de Uruguaiana.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comunhão solene de Décio Adams

Comunhão Solene de Décio Adams, aos 10 anos de idade.

Aos dez anos ocorreu a Primeira comunhão de Décio. Aos 12 anos ingressou no Seminário São José em Cerro Largo, onde cursou até o início da 4ª Série ginasial em começo de 1965. Permaneceu em casa dos pais, trabalhando até maio de 1967, quando foi incorporado ao exército. Quinze dias depois a família carregava a mudança, sendo que a terra já havia sido vendida e mudou-se para Santo Alberto, no município de Foz do Iguaçu, hoje não mais existindo, pois faz parte do território do Parque Nacional do Iguaçu.

Foto de décio soldado

Décio Adams, vestindo roupa de pelotão especial no 2ºBCCL, ao lado do local onde Leo Anselmo servira 22 anos antes.

 

 

 

No dia 28 de agosto de 1950, nasceu Genésio Evaldo Adams, segundo filho de Leo Anselmo e Maria. Quando ele nasceu, a saúde de Décio era frágil e a avó Bertha decidiu levá-lo a sua casa, onde poderia cuidar melhor de sua saúde. Em 28 de maio de 1952, nasceu Agileu Aloísio, terceiro filho. Era sem dúvida o mais forte dos três nascidos até aquele momento. Cresceu com saúde, sem grandes problemas e tornou-se um dos de maior estatura da família.

Genésio Evaldo, aos 17 anos.

Genésio Evaldo, aos 17 anos, em Santo Alberto, Foz do Iguaçu, 1967. (Faleceu em 10 de outubro desse ano)

 

 

Décio, Genésio e Agileu

Décio (17 anos), Genésio (15 anos) e Agileu (13/14 anos).

Genésio e Agileu, na primeira comunhão.

Primeira comunhão de Genésio e Agileu Adams.

Continuando a vida, o casal Leo Anselmo e Maria, viram nascer-lhes em 23 de maio de 1954 mais um filho, José Valdemar.

 

Comunhão solene de José Valdemar

José Valdemar Adams, faz primeira comunhão.

No dia 11 de dezembro de 1956, nasceu Ervídio Lourenço, quinto filho. Em 09 de abril de 1958, nasceu a primeira filha, Elvenete Adams. Era bebê, quando a família se mudou de Salvador das Missões, para a Linha Paranaguá, onde permaneceu, por menos de 10 anos.

Elvenete Adams (agora Froehlich)

Elvenete Froehlich quando bebê, em 1958/59.

 

 

Neste ano, 1958, o vovô Mathias Dewes adoeceu. A falta de medicamentos e cuidados mais avançados, inexistentes e indisponíveis na época, fizeram seu cérebro ser gradualemte destruido, falecendo em 1964. As artérias foram sendo obstruidas uma a uma.

Comunhão solene de Ervídio e Elvenete

Ervidio e Elvenete fazem primeira comunhão.

Família por volta de 1960/61

Leon Anselmo e Maria, com a família da época, em 1960/61

Em 7 de fevereriro de 1963, com cinco anos de diferença em relação à Elvenete, nasceu Tito Jorge Adams. Em 13 de setembro de 1965 nasceu Terezinha Mariza.

Ervídio, Tito, Terezinha e Elvenete, esquerda para direita.

Uma das últimas fotos tiradas no RS. Da esquerda para direita, estão Ervídio, Tito, Terezinha e Elvenete.

Com a mudança para Santo Alberto, deixando Décio servindo o exército, Maria ficou muitissimo preocupada com o filho distante, vivendo em meio a perigos mil, segundo suas suposições. A tragédia veio se abater sobre a família no mes de outrubro, quando Genésio Evaldo, caindo sobre um toco do a espingarda carregada nas mãos, detonou um tiro, quel lhe perfurou a mão esquerda e penetrou profundamente na cabeça, causando danos extensos. sobreviveu ainda por algumas horas, quando veio a falecer.

Para completar, Maria estava grávida de seis meses e alguns dias, daquele que nasceria no dia 21 de dezembro, o nono e último filho, Clicério Tomé. Assim a família estava completa, embora faltasse Genésio e Décio estivesse prestes a voltar do exército. Este retorno ocorreu no começo de maio de 1968. Já no dia 09 tinha início seu período de trabalho e estudos em Foz do Iguaçu, onde ingressou no extinto Banco Comercial do Paraná S.A, e deu continuidade aos estudos no Colégio Estadual Monsenhor Guilherme.

Enquanto isso, a família seguia sua luta diária na agricultura, onde estava instalada. Não tardou e receberam a notícia de que estavam proibidas novas derrubadas de mata, pois a área onde estavaminstalados pertencia ao território do Parque Nacional do Iguaçu. A abertura da área, permitia o acesso às margens do Rio Iguaçu, divisa com o país vizinho, Argentina, que mantém na sua margem também um território igualmente na forma de Parque Nacional. Ocorreram alguns indicentes de pessoas, aproveitando o acesso às águas do rio, usarem de recursos para chegar à outra margem e ali fazer caçadas ilegais. Houve um incidente mais grave em que um guarda parque argentino teria sido ferido ou mesmo morto, gerando um protesto do país vizinho.

Familia na roça em Santo Alberto

Família plantando em meio a coivara nas terras em Santo Alberto, Foz do Iguaçu.

Tere e os cachorrinhos

Terezinha Marisa, com cachorrinhos da casa.

Cachaço reprodutor

Reprodutor suino no chiqueiro da família

Aconteceu que, a área de terras em questão, havia sido concedida a uma empresa ou pessoa, com documento de propriedade em epocas passadas. Quando da promulgação da lei criadora do Parque Nacional do Iguaçu, estes documentos foram ignorados, ou sequer eram do conhecimento de quem elborou a lei e fez a demarcação da área. Assim dendo, o cartório de Registro de Imóveis concedeu registro às escrituras elaboradas, o que tornava os agricultores legítimos donos da terra, permitindo-lhes exercer seus direitos como tal. Mas os interesses nacionais e tratados internacionais, ficavam acima disso, obrigando o governo brasileiro a realizar um processo de desapropriação e reassentamento dos agricultores. Assim, o processo todo, até a transferência final dos moradores, para a nova área, localizada nas margens do Rio Ocoi, afluente do Rio Paraná, no município de São Miguel do Iguaçu. A área desapropriada era inclusive, bem maior que o total da área loteada no Parque. Isso permitiria que cada agricultor recebesse uma fração um pouco maior, dando assim possitilidade de assentar os filhos que estavam em idade de constituir família.

Porém, nesse ínterim, foi celebrado o acordo bi-nacional com o governo do Paraguai, tendo início a construção da barragem, que viria a ser a Usina Hidroelétrica de Itaipu. O lago formado, inundaria mais da metade da área destinada ao reassentamento. Assim, foi preciso restringir a distribuição da terra, sendo inclusive distribuido a título precário, uma área posteriormente indenizada pela Itaipu, que foi cultivada durante os anos que transcorreram entre o início e o fechamentodas comportas, para formação do lago. Dessa forma, em 1975 ocorreu a transferência da família de Leo Anselmo para a localidade denominada Santa Cruz do Ocoi.

Mesmo as limitações da área cultivada, não impediram a família de prosperar. Plantavam, colhiam e criavam suinos, chegando a adquirir em 1973 um trator com demais equipamentos. Em decorrência disso, arrendaram uma área de terra destocada, na fazenda de Valter Keller, a alguns quilômetros de distância. Ali realizaram uma safra de soja, com a qual foi comprada uma caminhonete Chevrolet, modelo Veraneio, ano 1972, pouco usada e bem conservada. Foi o primeiro automóvel da família. Eis imagens dela junto com a família inteira.

Agileu com Veraneio.

Agileu ao lado da Veraneio

Agileu, José Valdemar e Ervídio

Agileu, José Valdemar e Ervídio diante da Veraneio

Veraneio, primeiro carro da família

Casa nova construida em Santo Alberto, com o primeiro carro da família, uma Chevrolet Veraneio. A família ao lado, na varanda e diante dela.

Agileu, em Santo Alberto.

Agileu Aloísio, em Santo Alberto.

Foto da família em Santo Alberto.

Foto da família, em Santo Alberto, José Valdemar com acordeon que procurava aprender tocar.

Em dezembro de 1974, Agileu Aloísio e Leo Anselmo estavam trabalhando na área que lhes coube em Santa Cruz e voltavam para casa, no trator. Era necessário percorrer um pequeno trecho da rodovia BR 277, para chegar em casa em Santo Alberto. Agileu dirigia o trator e Leo estava apoiado sobre tábuas fixadas no sistema de levantamento hidráulido. Num dado instante, um veículo modelo Kombi, Volkswagen, vindo por trás, bateu na larteral esquerda do trator, ferindo Leo Anselmo, que foi levado para um hospital em Foz do Iguaçu. Sofrera fratura exposta na perna direita e foi submetido à cirurgia. Mesmo transcorrido o período necessário para a consolidação, o local da fratura apresentava sinais de infecção e problemas de cicatrização. Ele foi transportado para Curitiba, onde foi consultado no Hospital de Clínicas e ali se tratou, tendo ficado algum tempo hospedado próximo ao hospital e depois retornado em viagens para revisão até a alta final, no término de 1977.

Em 1974, no dia 22 de maio, ocorre casamento de Décio com Rita Conti. Moraram até o começo de 1976 em Foz do Iguaçu, mudando-se então para Curitiba, onde vivem até hoje.

Vovô Anselmo e Vovó Maria com os netos

Vovô Leo Anselmo e vó Maria, com os netos Decio Jr, Augusto Mathias e Anselmo Daniel.

Vovô e vovó com netos gêmeos Augusto e Anselmo.

Vovô Leo Anselmo e vovó Maria com netos gêmeos Augusto Mathias e Anselmo Daniel.

Vovô Leo Anselmo com bisneta Gabriela Adami Adams.

Vovô Leo Anselmo, em seu aniversário de 80 anos, com bisneta Gabriela Adami Adams.

Quatro gerações.

Quatro gerações. Leo Anselmo, Décio, Anselmo Daniel e Bisneta Gabriela.

Tia Albino e Valesca 120150906_21420185

Vovó Maria e bisneta Gabriela Adami Adams, ao fundo Leo Anselmo.

Em janeiro de 1975, casam-se Agileu Aloísio com Catarina Knapp, e pouco depois mudaram-se para a primeira área aberta em Santa Cruz, do Ocoí. Em julho do mesmo ano, casam-se José Valdemar com Lúcia Knapp. No princípio da primavera, ocorre a mudança da família para Santa Cruz. A casa, remodelada foi reconstruida na nova terra, existindo até hoje, com alcuns acréscimos e modificações. Após alguns anos, a propriedade foi fotografada por via aérea, mostrando todas as instalações e árvores frutíferas, mostradas nas imagens que seguem.

Vista aérea da propriedade, pela frente, parte sul.

Vista aérea da propriedade de Leo Anselmo e Maria Adams, vista de frente, do lado sul.

Vista aérea da propriedade, de frente, lado norte.

Vista aérea da propriedade de Leo Anselmo e Maria Adams, de frente pelo lado norte.

Muito trabalho e suor derramado para fazer produzir essa terra, onde foram assentados. Mas preguiça e falta de vontade, nunca fizeram parte do vocabulário da família. Com o tempo, o progresso chegou. Outros filhos casaram e foram viver suas vidas. Agileu e Catarina, que trabalharam em conjunto por algum tempo, mudaram-se para o Mato Grosso, na localidade Brasnorte, onde vivem até hoje, além de seu filho Evandro Luiz. Formado em Agricultura do Trópico Úmido, pela Escola Internacional de Agricultura do trópico Úmido, localizada na Costa Rica, onde estudou por um período de quatro anos. Passou cerca de 10 ou mais anos no cultivo de bananas no estado do Rio Grande do Norte. Com a decadência do setor, retornou para Brasnorte, trazendo com ele a esposa e uma filha.

Comunhão solene de Evandro

Evandro, em dia de primeira comunhão, ladeado pelos pais Agileu e Catarina.

Agileu e Evandro

Agileu e Evandro, na casa em Brasnorte.

Foto de Evandro Adams.

Evandro com a esposa e filha. Falta a filha menor, de alguns meses.

Leo Anselmo de muletas no casamento de José Valdemar e Lúcia.

Na festa de casamento de José Valdemar e Lúcia, Leo Anselmo andando de muletas, devido ao acidente.

Foto de família, no casamento de José Valdemar e Lúcia

Foto de família, no casamento de José Valdemar e Lúcia.

Momento da assinatura dos documentos oficiais após a cerimônia religiosa.

Casamento de José Valdemar e Lúcia, momento de assinatura dos documentos e registros religiosos.

Leo Anselmo cumprimentando José Valdemar e Lúcia na igreja.

Momento de cumprimentos de Leo Anselmo ao filho José Valdemar e nora Lúcia que se casavam.

José Valdemar e Lúcia, embarcando para dirigir-se ao local da festa.

José Valdemar e Lúcia, embarcando para irem comemorar com os convidados, na casa dos pais de Lúcia.

 

 

 

 

 

 

 

Já residindo em Santa Cruz do Ocoí, ocorre o casamento de Ervídio e Neusa, indo morar numa área de terras nas proximidades. O casal tem os filhos Christian Leo, Ervídio Junior e Aline. Vivem na região de Coromandel no estado de Minas Gerais.

Casamento Ervídio e Neusa 6

Ervídio e sua noiva Neusa, ao lado de Elvenete e Romeu.

Chegou a vez do casamento de Elvenete, com Romeu Froehlich. Eles moram hoje em Primavera do Leste, estado de Mato Grosso, onde se dedicam ao plantio de soja, algodão e agricultura em geral.

Casamento Elvenete e Romeu 2

Elvenete e seu marido Romeu, no dia do casamento.

Elvenete e Romeu, tiveram as filhas Kelly, Kátia e Fábio Romeu.

Fábio Fröhlich

Fábio Romeu Froehlich

 

 

 

 

 

 

 

Casamento Terezinha e Afonso 9

Enlace matrimonial de Terezinha e Afonso, ocorrido em 1985.

 

Em 1985, ocorreu o casamento de Terezinha Marisa com Afonso Fank, indo morar em Guarapuava, onde Afonso era sargento do exército. Dessa união nasceram Gustavo e Isabel. Viveram alguns anos em Natal, no estado de Rio Grande do Norte e hoje estão morando na propriedade de Leo Anselmo e Maria, que agora lhes pertence. O filho Gustavo mora em Natal e a filha Isabel estuda medicina na UNILA em Foz do Iguaçu.

Casaram-se primeiro Clicério Tomé e Erlete, hoje residentes em Aparecidinha de Goias. Seus filhos são Fernanda e Thiago.

Por último foi a vez de Tito Jorge, casar-se com Ivete, hoje residentes em Guarapuava, onde mantém uma pequena casa de comércio no ramo de supermercados. Os filhos são Lucas e Simone.

Casamento Tito e Ivete 2

Tito Jorge e Ivete, no dia de seu casamento.

 

Simone Adams

Simone Adams, em sua infância.

 

Tia Albino e Valesca 120150907_14590798

Tito, seus filhos e ao fundo Leo Anselmo e Maria.

 

Tia Albino e Valesca 120150907_14580709

Leo Anselmo e Maria, com neta Simone e outra criança.

 

Em 2005, Leo Anselmo e Mariamudaram-se para Guarapuava, tendo arrendado suas terras para terceiros cultivar, vivendo do arrentamento. Haviam construido uma bela casa no novo endereço, onde moraram até o último dia 21, quando ele faleceu, indo morar no jazigo da família, no cemitério Santa Terezinha, da Paróquia de mesmo nome.

Antes, em 2005, o casal ficou cerca de dois meses em Curitiba, para tratamento de saúde de Leo Anselmo. Havia sido detectado um coágulo em um dos ventriculos do coração, além de ser identificada obstrução das artérias carótidas. Submeteu-se a cirurgia, pelas mãos do Dr. Fernando Franco Pedro, retornando depois para sua casa. Em várias ocasiões voltou para consultas em especialistas em Curitiba, mas o tratamento de manutenção era feito por médicos de Guarapuava. Na ocasião de sua permanência em Curitiba, foram tiradas algumas fotos com familiares que se haviam reunido. Seguem abaixo.

Cantando em familia 4 Cantando em familia 3 Familia reunida 2 Familia reunida 1 Familia parcialCantando em familia 2 Cantando em familia 1 AVSENE~1

Abaixo, algumas fotografias que foram feitas no decorrer da história de vida de Leo Anselmo. Retratam momentos diversos da vida de Leo e Maria, ao longo de 68 anos de vida matrimonial. Na última terça-feira, 21/06/2016, faltando exatamente dois meses para completar 92 anos de idade e apenas alguns dias depois do aniversário de casamento, nos despedimos de Leo Anselmo nesta vida. Ele agora está iniciando a longa jornada na vida espiritual, até chegar no destino final, o Paraíso, onde o Pai Universal, o Criador de tudo, o espera de braços abertos para acolhê-lo em seu infinito amor e misericórdia.

Aqui ficamos nós, seus filhos, seus netos e diversos bisnetos, no eterno processo de renovação da vida. Por isso comecei o texto, com o título de História de uma vida que termina e vida que se renova!

Leo Anselmo, Maria e netas Simone e Isabel.

Leo Anselmo, Maria e as netas Simone e Isabel, na casa em Santa Cruz do Ocoi.

Leo Anselmo e Maria em passeio turístico

Leo Anselmo e Maria em passeio turístico pelo nordeste. Mirante a beira mar.

Foto em família.

Leo e Maria, José Valdemar e esposa, Tito e esposa, com filhos Lucas e Simone.

Neta Fabíola com bisneta.

Fabíola, com sua filha, bisneta de Leo e Maria.

Vovô e vovó com netinho

Vovó Leo Anselmo e Vovó Maria com netinho.

Leo Anselmo e Maria em passeio pelo nordeste.

Leo Anselmo e Maria em passeio pelo nordeste há alguns anos.

Leo Anselmo, com irmãos Affonso Roque e João Armando, tendo ao lado Maria.

Na festa de seus 80 anos, Leo Anselmo, Affonso Roque, João Armando e Maria, da esquerda para direita.

Festa dos 80 anos, junto com família.

Festa de seus 80 anos, junto com família e amigos.

80 anos

Aos 80 anos, festejando com família e amigos

80 anos

Apagando velinhas aos 80 anos

80 anos tendo com ele a primeira bisneta.

Comemorando 80 anos com primeira bisneta Gabriela.

Terminou a festa, todo mundo triste.

Findou a comilança, todo mundo triste. Chimarrão correndo para assentar o almoço farto.

Festa dos 80 anos.

Festa dos 80 anos de Leo Anselmo, alegria em toda família.

Vamos apagar as velas, que a vovó também faz aniversário logo.

Vovó Maria apagando velinhas, pois aniversário é logo depois, dia 08 de setembro.

Tome gaita e violão, depois de encher a barriga no almoço.

De barriga cheia, hora de tocar e cantar para assentar a boia.

Leo e Maria, com a filha Terezinha, formanda em Letras.

Formatura de Terezinha Marisa, em Letras, ladeada por Leo e Maria.

Leo Anselmo comprando carro novo.

Leo Anselmo comprando carro novo em Guarapuava.

Vovó Maria, andando de jumento no nordeste.

Passeio de jumento no nordeste, primeira e única tentativa de Maria Adams.

Leo Anselmo passeando de jumento.

Passeio de jumento feito no nordeste, por Leo Anselmo.

Junto a um monumento histórico em cidade do nordeste, possivelmente Natal-RN

Foto ao lado de monumento histórico em cidade do nordeste, por Leo Anselmo e Maria.

Passeio na praça.

Passeio na praça, por Leo Anselmo e Maria.

Maria em seu passeio de jumento.

Passeio de jumento, com guia ao lado de Maria Adams

Vovô com neta Simone num dos maiores pés de caju do mundo.

Leo Anselmo com a neta Simone, sentada num galho de um dos maiores cajueiros do mundo. Natal – RN.

Vamos fazer vinho.

Colhendo uvas para fazer vinho caseiro.

Recebendo o carro zero.

Recebendo carro zero na concessionária V.W.

Leo e Maria com filha Terezinha em seu aniversário.

Leo Anselmo e Maria, com a filha Terezinha em seu aniversário.

Terezinha com roda de carroça, relíquia do passado.

Terezinha Marisa, segurando roda de carroça, relíquia do passado.

Terezinha e Afonso

Terezinha Marisa e Afonso Fank, comemorando aniversários.

Elvenete e Romeu com primeira filha.

Elvenete e Romeu com primeira filha.

Elvenete recebendo presente.

Presente para Elvenete.

Romeu e Elvenete, com primeiro fusca e filha pequena

Romeu e Elvenete, com primeiro fusca e filha pequena

Tio Raimundo, mamãe Maria, tias Hedda e Florida.

Tio Raimundo, mamãe Maria, tias Hedda e Florida.

Reunião de família.

Reunião de família.

Vovó Maria com netos.

Vovó Maria com netos.

Elvenete com seus enfeites de porcelana.

Elvenete com seus enfeites de porcelana.

Clicério Tomé adolescente.

Clicério Tomé adolescente.

Casal Leo e Maria, em momento de carinho.

Casal Leo e Maria, em momento de carinho.

Mano Valdemar e Lúcia

José Valdemar e Lúcia

Leo Ancelmo e Maria Adams

Leo Anselmo e Maria Adams, no dia das bodas de ouro em 1998.

Leo Ancelmo Adams nos seus 80 anos

Leo Ancelmo Adams nos seus 80 anos

Fotos antigas vovó Adams20151015_13543703 (2)

Josefina Tacila e Armindo Beck, no dia do casamento.

Leo Ancelmo e Maria Adams 1

Leo Ancelmo e Maria Adams

Morte de Abilino Adams.

Kembrança da morte de Abilino Adams, irmão de Leo Anselmo.

Morte de Abilino Adams

Lembrança da morte de Abilino Adams, irmão de Leo Anselmo

Casamento de Tio Arsildo Adams

Casamento de Arsildo Adams

Casamento de Albino Adams e Walesca

Casamento de Albino Adams e Walesca

Fotos antigas vovó Adams20151015_13462288

Vovó Leopoldina, Tia Sidonia, a filha desta e a neta. Quatro gerações.

Comunhão solene Tito

Primeira comunhão de Tito Jorge

Comunhão solene de Tomé

Primeira comunhão de Clicerio Tomé.

Comunhão solene de Simone

Primeira comunhão de Simone (neta)

Comunhão solene de Lucas 2

Primeira comunhão de Lucas Adams (neto)

Comunhão solene de Fabíola

Primeira comunhão de Fabíola.

Comunhão solene de afilhada

Primeira comunhão de afilhada.

Tios Albino e Arsildo

Albino e Arsildo Adams, irmãos de Leo Anselmo.

Casamento de Tio Vito

Casamento de Vito Adams, irmão de Leo Anselmo.

Comemoração de 15 anos sobrinha.

Maria Cleni Adams, debutante aos 15 anos. Filha de Arsildo Adams e sua esposa.

Um dos tios como soldado.

Arsildo no exército (Acho que é ele)

Maria Cleni com os pais Arsildo e esposa.

Maria Cleni com os pais Arsildo e esposa.

Família Dewes 2

Vovô Mathias Dewes e Berta Seibt Dewes, com filhos, da esquerda para direita atrás, Edgar, Ottmar, Maria, Raimundo e Evaldo. Ladeando Hedda e Florida, no dia de primeira comunhão.

Obs.: Alguma discordância, com data, nome ou outra informação, por obséquio, me enviem a correação para deixar tudo de modo correto. Pode ser pelo facebook, e-mail, ou no próprio blog. Faça sua observação e eu lhe agradeço.

Curitiba, 23 de junho de 2016.

Décio Adams

decioa@gmail.com

adamsdecio@gmail.com

www.facebook.com/livros.decioadams

www.facebook.com/decio.adams

@AdamsDcio

Telefone: (41) 3019-4760

Celulares: (41) 9805-0732

2 ideias sobre “História de uma vida que termina. Vida que se renova sempre e sempre!

  1. Marcia Dewes

    Muito bom poder acompanhar a história da família, e lamentável a partida do Tio Anselmo, mas é o curso da vida…..:(

    Responder
    1. Décio Adams Autor do post

      Prima! Espero que tenha gostado. Se você digitar no facebook Família Adams no Brasil, Família Dewes no Brasil, ou Família Seibt no Brasil, vai encontrar os grupos que criei, com objetivo de reunir documentos, fotos, histórias, relatos e qualquer tipo de informação. Tenho em vista formar um arquivo gigante sobre as quatro famílias de que eu descendo para disponibilizar aos que suiserem consultar no futuro. Se quiser participar, convidar os conhecidos e todos os parentes para se engajar, eu agradeço.
      Obrigado pela visita ao meu blog. Nele tem mais coisas, além desse relato.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *