Arquivo da categoria: Livros

Fantástico Mundo Novo – Volume III- Recomeço em Orient. Capítulo V – Colônias recebem denominação.

05. Colônias recebem denominação.

 

Durante as reuniões mantidas com a equipe administrativa central, nos dias subsequentes ao retorno, Mink sentiu falta de uma denominação para as várias colônias. Sempre era necessário citar os nomes dos membros e nem sempre todos tinham em mente todos os nomes.  Isso criava algumas dificuldades de comunicação, quando se tratava de um ou outra colônia. Em dado momento pediu um instante de silêncio e propôs:

  •  Devemos providenciar um nome para cada colônia, bem como uma denominação para a colônia aqui de perto do lago. Isso tornará mais fácil nossas comunicações e evitará enganos de encaminhamentos de algumas decisões.
  •  E como iremos fazer essa escolha de nomes? Vamos assumir esse encargo, ou pediremos que o povo escolha o nome? – Perguntou o ministro Gamal.
  •  Creio que seria conveniente deixar essa escolha a critério do povo, – sugeriu Cassiel intervindo.

Continue lendo

Livre Arbítrio!

Livre arbítrio, imagem da internet 2

Duas ou mais opções. A escolha é sua.

O que quer dizer “livre arbítrio”?

Vamos por partes. O que é livre?

Quem está livre, não está impedido de fazer nada, não está preso, amarrado ou oprimido. Pode decidir o que deseja fazer.

arbítrio o que é?

Arbítrio tem a mesma raiz de árbitro, sinônimo de juiz. Aquele que decide, julga, diz quem está ou não com razão, o que é certo ou errado.

Continue lendo

Fantástico Mundo Novo- Vol. III – Recomeço em Orient, Cap. VII – Conquista do espaço segue.

  1. Conquista do espaço segue.

 

Os componentes da equipe de tripulantes, dividiam-se em dois grupos. Dois permaneciam na nave, enquanto os outros quatro saiam em expedições de exploração pelas regiões mais próximas. Levavam dispositivos elétricos, capazes de disparar descargas, cujo efeito seria de paralisar e pôr fora de ação algum animal agressivo. Sabia-se muito pouco e a cada instante deparavam-se com exemplares representantes da fauna ou flora de Luxor. Havia flores e também frutos. As árvores não eram exageradamente altas, pelo menos na região onde haviam pousado. Afastavam-se até distâncias consideradas seguras, para o caso de ser preciso retornar depressa. Andavam sempre carregados de equipamentos diversos, fazendo imagens, capturando espécimes de vários tipos de animais. As plantas, com suas folhas estranhas, tinham um brilho próprio. Deveria ser causado por alguma substância contida nelas.

Continue lendo

Fantástico mundo novo – Volume III – Reinício em Oriente, Cap. VII-Aceleração geral.

  1. Aceleração geral.

 

O rápido progresso científico proporcionado pela verdadeira “queima” de etapas, quando os registros da antiga civilização foram decifrados e seus significados compreendidos, chegou a causar uma perturbação ameaçadora no equilíbrio de todo planeta Orient. No entanto, a chegada do Melquisedeque, em uma outorga extraordinária, teve o poder de restabelecer o equilíbrio. Os pequenos grupos remanescentes das antigas dissidências religiosas, aos poucos foram perdendo força e significado, levando à gradual redução de seu número de adeptos. Muitos deram liberdade aos filhos para seguir o caminho de sua própria escolha e eles optaram por seguir o que lhes pareceu mais condizente. Aderiram ao culto da Trindade do Paraiso. Outros, mesmo já adultos de certa idade, decidiram mudar de opção, aprendendo a doutrina da religião da revelação. Desse modo alcançou-se um estado de quase uniformidade religiosa, embora existissem pequenas diferenças de uma região para outra, mas a crença básica era idêntica.

Continue lendo

Fantástico Mundo Novo – Volume III – Capítulo VI – Vinte anos mais tarde.

  1. Vinte anos depois.

 

Os novos moradores de Orient, prosseguiram em sua faina de ocupar o território, desenvolver atividades agrícolas e industriais, num ritmo acelerado. Pareciam ter pressa em progredir. Por toda parte se viam sorrisos, gente cantando e se cumprimentando alegremente. As colônias, em questão de poucos anos, dobraram a população. Famílias numerosas, com oito a dez filhos em média, havendo até algumas com maior número de membros, especialmente aquelas compostas de homens com duas esposas. Os jovens casavam-se ao atingir a idade adulta. Os rapazes com 18 anos e as moças com 15, formando suas famílias. Os primeiros anos transcorreram com a produção, destinada principalmente à alimentação das pessoas e animais. Quando completaram vinte anos de vida no planeta, já existia uma geração inteira de nativos Orientianos. Os novos casamentos ocorriam entre homens e mulheres, mal saídos da puberdade, mas já nascidos em Orient. Alguns dos mais idosos haviam encerrado sua jornada na carne, sendo os primeiros ocupantes de pequenos cemitérios. Os mortos por doenças e acidentes ainda eram em pequeno número.

Continue lendo

Fantástico mundo novo!-Volume III – Recomeço em Orient. Cap. IV – Colônias são implantadas.

  • Colônias são implantadas.
  •  

    As providências para eleger os ministros encarregados da administração civil de Orient, sob supervisão de Mink e seus dez auxiliares, desde Urantia foram tomadas. Diversos candidatos, todos eles com experiência comprovada em administração e conhecedores dos assuntos que iriam gerir, foram propostos. Em uma reunião geral no anfiteatro, eles apresentaram seus projetos de trabalho, para que o povo pudesse fazer sua escolha, de modo mais acertado. No dia marcado, todos que puderam estar presentes, participaram do pleito. A apuração foi feita sem demora, indicando, para ministro da mineração e indústria, um homem de nome Gamal, que fizera parte da administração de Kibong. Ali aprendera os segredos de uma administração eficiente e segura. Para dirigir os negócios da agricultura foi escolhido Cassiel, um dos primeiros discípulos das escolas de agricultura em Kibong.

Continue lendo

Fantástico mundo novo! – Volume III – Recomeço em Orient – cap. 03 – Novas expedições exploratórias.

  • Novas expedições exploratórias.

  •  

    Os longos anos de entrevistas com Arki, haviam ensinado Mink a não tomar decisões apressadas. Convocou, para o período da manhã do dia seguinte, os dez membros iniciais, na verdade os chefes dos dez grupos. Em conjunto tomariam a decisão sobre a conveniência da implantação de uma colônia na região explorada pela expedição. Seria a primeira iniciativa de colonização e serviria de modelo para futuras colônias a serem estabelecidas em pontos mais distantes. Havia toda a questão de logística, de comunicação. Para começar, tentariam encontrar um caminho mais fácil. Se pudessem navegar até um ponto da costa, mais próximo da localização do lago, ficaria facilitado o transporte de material, suprimentos e equipamentos.

Continue lendo

Fantástico mundo novo! – Volume III – Recomeço em Orient, Cap. 02- Explorando o território.

    1. Explorando o território

     

    Na manhã seguinte, depois de um sono agitado, que chegou a preocupar Edith, Mink levantou resoluto. Mesmo sem descansar direito, cuidou da preparação de uma expedição exploratória na região ao sul do local onde estavam sediados. Reuniu os líderes e lhes apresentou sua decisão. Os dez logo perceberam que ali havia o dedo de Arki. O anjo deixara de estar presente durante semanas, mas a atitude de Mink era típica de um dia depois da visita do amigo celeste. Suas ideias estavam mais claras e definidas. Parecia estar sintonizado com o anjo e isso lhe modificava o comportamento. As decisões eram tomadas facilmente. Dois dentre eles, se prontificaram a providenciar o necessário para a expedição. Era um casal, embora não formassem família, sempre que possível, atuavam juntos. Tinham entre eles uma estranha sintonia.

     

     

     

     

     

     

     

     

Continue lendo

Caminhando nas pegadas de Roque Gonzales, por Sérgio Venturini

Caminhando.

Caminhando nas pegadas de Roque Gonzales.

Caminhando nas pegadas de Roque Gonzales por Sérgio Venturini

Sérgio Venturini, professor da rede de ensino público do Estado do Rio Grande do Sul, lotado em escola na cidade de São Luiz Gonzaga. É natural de Ivorá, no mesmo estado. Sua formação é na área de História e Geografia. Alia à atividade magisterial a pesquisa histórica, especialmente no que tange às reduções jesuíticas, tanto no território brasileiro, como nos países vizinhos Paraguai, Argentina e Uruguai. É devoto do agora Santo Roque Gonzales de Santa Cruz, jesuíta nascido no Paraguai e fundador de um grande número de reduções nos quatro países. O resgate dos fatos históricos da vida do santo, é objetivo de Sérgio.

Continue lendo