23ª Bienal Internacional do Livro em São Paulo

Minha primeira Bienal!

            Amanhã ao meio dia embarco para São Paulo. Nas instalações do Parque Anhembi está tendo lugar a realização da 23ª Bienal Internacional do Livro. Minha editora me convidou para participar e estou indo. Sexta feira, 18 h será a sessão de autógrafos que me coube na distribuição dos horários. 
            Estou levando comigo meus livros publicados até agora. Os dois primeiros são de contos e tem por títulos: Contando um conto e aumentando um ponto…; e Contando um conto e aumentando um ponto…dois. Contém ao todo 36 contos, criados tendo como base histórias que eu ouvi na infância, adolescência, vida adulta e mesmo piada lida no jornal Tribuna do Paraná. A grande maioria tem por cenário o território do Rio Grande do Sul, na época da imigração italiana, alemã e polonesa no RS, em fins do século XIX, princípios do XX. As capas são essas. 

Publicado em 10/10/2013

Publicado em 27/02/2014

         Junto com o segundo volume dos contos foi publicado também o volume I do romance A saga da família Cruz. O início da trama se dá nas décadas finais do século XIX, com o surgimento do primeiro membro da família no município de Passo Fundo, RS. O primeiro volume abrange até o início da vida adulta do filho primogênito na terceira década do século XX. 

        No volume dois ocorre um crescimento econômico da família como um todo, sendo alcançado um estágio de grande prosperidade. O outro filho e as filhas passam a integrar a força de trabalho, enquanto o caçula ainda esquenta os bancos escolares, mas sonha alto. quer ser oficial do exército. Os mais velhos se casam constituindo suas famílias e o aspecto econômico progride, a despeito de crises econômicas e políticas que atingem o mundo e a nação brasileira. No volume três a vida da família prossegue, ficando por conta do filho caçula a parte mas destacada da trama. Ao prestar serviço militar, ingressa na AMAM – Academia Militar das Agulhas Negras. Lá se forma oficial, em pleno curso da Segunda Guerra Mundial. Recém saído da Academia participa de treinamento nos EUA para formação de pilotos de caça e bombardeio. Junto com os companheiros de curso, conquista a qualificação e participa da implantação de um contingente de pilotos, bem como demais especialistas da aviação militar. 

Publicado em 06/06/2014
        Quando da convocação de contingente para integrar a FEB, ele é convocado e não hesita em ser membro da tropa de combate. Nas destacadas atuações da aviação nacional em campos italianos, comanda uma esquadrilha que causa elevadas baixas nas instalações e tropas germânicas. No derradeiro dia de combate em Monte Castelo, encontra a morte ao ser atingido por um obus disparado pela última peça de artilharia inimiga em ação. Algum tempo antes disso, casara-se com uma jovem italiana, deixando-a grávida, mesmo sem seu conhecimento. O filho nasce e é amparado pelos demais membros da família que influencia os pais e irmãos da jovem a virem morar no Brasil. O filho do herói vem se reunir com os outros membros de sua família no Brasil. 

         Os italianos de instalam na região de Bento Gonçalves, onde adquirem
uma vinícola e se dedicam ao cultivo de uvas, produzindo vinho de boa qualidade. Os anos correm, a família se ramifica, os negócios se tornam diversificados. Aos poucos a empresa se profissionaliza, é transformada em SA e com o tempo a direção passa para as mãos de acionistas fora do clã Cruz.
Publicado em 06/06/2014

O romance Um veterinário judeu nos pampas, é igualmente constituído de três volumes. Inicia-se no ano de 1808 em Varsóvia, capital da Polônia. Um menino, filho de família judia, dedicada aos cuidados com animais nas propriedades dos nobres ou burgueses, nasce e segue os passos do pai. Torna-se um exímio tratador de cavalos, vacas, e demais animais domésticos. Casa-se e assume a chefia da família em substituição ao pai já debilitado pelos rigorosos invernos passados na labuta diária. 

       Nascem os primeiros filhos e após um pogrom levado a efeito por nativos indignados contra algum acontecimento político, descarregaram sua revolta sobre os desprotegidos judeus. A família Abrahamowski(era esse o sobrenome) consegue escapar ilesa, mas o líder do clã toma a decisão de emigrar para Leipzig em busca de maior tranquilidade. Lá tinham apoio de um amigo de família, bem situado na Universidade local. Ele obtém um bom trabalho, os irmãos ainda mais jovens, além dos filhos se dedicam aos estudos, vindo a se formarem em diversas especialidades. Além das formações universitárias os filhos aprendem música, vindo a constituir uma pequena orquestra familiar. 

     O filho mais velho, de nome Joseph Abraham(sobrenome adaptado ao idioma alemão), dedica-se profundamente aos estudos. Forma-se em veterinária e agronomia, além de adquirir habilidades de laboratório em química e biologia. No final da década de 60 do século XIX, ocorrem movimentações nos pequenos reinos germânicos com vistas à unificação em torno de um governo único. As diferenças de opiniões e consequentes desavenças, geraram alguns distúrbios que novamente descambaram para as agressões aos minoritários judeus, habitualmente considerados culpados de diversas mazelas que atingiam o povo. Os pais e dois irmãos morreram nesses ataques, sendo que um irmão e as duas irmãs haviam emigrado para a Inglaterra e EUA respectivamente. 

        Diante disso, Joseph decidiu desfazer-se de todos os bens, enviando as partes que cabiam por herança aos irmãos, adquiriu equipamentos e suprimentos de remédios, embarcando para o Brasil. Desembarcou em Rio Grando e foi parar em Porto Alegre, onde se instalou provisoriamente em casa de um conhecido de descendência judaica.

Publicado em 06/06/2014.

        Entrou em contato com integrantes do governo provincial e acabou sendo contratado para ficar à frente de uma colonia modelo que estava sendo implantada na região próxima de Santa Maria, denominada Vila Nova. 


            No volume dois encontramos Joseph viajando para seu novo destino, onde encontra relativa facilidade devida ao idioma alemão que falava, bem como seus esforços bem sucedidos em aprender português. Não tem dificuldades em se integrar na comunidade, pondo de imediato suas habilidades a serviço, deixando os moradores muito satisfeitos. Encontra uma moradora, viúva e mãe de três crianças, filha de italianos. Os dois se apaixonam e terminam se casando. A mente criativa de Joseph traz à lembrança fatos aprendidos e vivenciados nos tempos de estudante e decide aperfeiçoar as ideias, para depois serem postas em prática. O resultado é a formação de uma cooperativa de produtores/consumidores com apoio do governo provincial. A colônia progride, escolas são instaladas, sendo ministrados cursos de alfabetização noturno aos adultos privados desse benefício em sua infância e juventude. Reprodutores de raça são trazidos do Uruguai, iniciando-se um programa de melhoria genética, visando a melhoria do desempenho leiteiro, bem como de produção de carne. 

        Num segundo momento é trazido um plantel de matrizes e reprodutores ovinos. Surge assim também um próspero núcleo de produtores de lã e carne desses animais. Os suínos também são criados com cuidados especiais, resultando num surto de prosperidade significativo. 

Publicado em 06/06/2014.

         Na continuidade surge na comunidade um grupo de iniciantes de música, sempre com o apoio de Joseph, resultando a formação de uma orquestra de renome, requisitada para se apresentar em toda a região, inclusive na capital co estado. Alunos das escolas migram para a capital a fim de continuar seus estudos e alguns acabam em universidades europeias, de onde voltam para a comunidade. Assim contribuem para a elevação do nível cultural e a qualidade de vida da população. Com a abolição da escravatura e posterior proclamação da república, as características da colônia foram modificadas, mas o nível de atividade não decaiu. A cooperativa já alcançara um nível de auto-suficiência significativo, bem como os cooperados também tinham consolidado suas atividades, tornando-se independentes de um apoio mais decisivo de parte dos órgãos governamentais. Joseph, devido aos muitos anos de relevantes serviços prestados, passou a receber um provento conveniente e depois disso dedicou-    se ao trabalho de sua especialidade. 
Anhem
          O casal Joseph e Rigoleta viaja aos EUA e Europa durante um período bem prolongado. Alguns anos mais tarde fazem nova viagem pela Argentina e Uruguai. A atividade de Joseph continua mais ou menos intensa, contribuindo com pesquisadores europeus em vários estudos importantes. No início do século XX Rigoleta vem a falecer, ficando Joseph novamente solitário e se dedicando mais intensamente aos trabalhos de pesquisas. Vem a receber menções honrosas de institutos europeus em resposta às suas pesquisas. Em 1915 ele vem a falecer com a idade de mais de oitenta anos. Deixa atrás de si um vasto leque de atividades importantes. 

      Estes são os livros de minha autoria que estarão expostos na 23ª Bienal Internacional do Livro, em São Paulo. Convido aqueles que puderem visitar o evento a chegarem ao stand F698(D6), onde está a Editora Biblioteca24horas, que publica meus livros. Estarei lá amanhã no final da tarde, na sexta feira e no período diurno de sábado. A quem me conceder a honra de visitar o stand e conhecer meus trabalhos, desde já agradeço. 

Curitiba, 27/08/2014

Décio Adams.

PS: Ontem a tarde passeei pela instalação da feira, com o intuito de conhecer e localizar a posição em que eu ficarei hoje na hora da sessão de autógrafos. Depois de participar de uma feira que foi decepcionante em outro local, essa me deixou gratamente animado com a forma organizada em que é realizada. O imenso pavilhão do Parque Anhembi inteiramente transformado em ruas e quadras, onde estão situados os stands de um grande número de editoras. Desde as mais conhecidas no cenário nacional, até algumas de que jamais ouvira sequer o nome. Captei algumas imagens apenas. Não havia possibilidade de percorrer stand a stand, devido a grande variedade e eu já estava um pouco cansado. Minha dificuldade locomotora atrapalha um pouco, mesmo assim venci as dificuldades conseguindo dar uma noção boa da ênfase que é dada a esse evento. Um movimento incessante de pessoas, grande número pagando ingresso, outros com convites, idosos e crianças menores de 12 anos com acesso gratuito. Mas é visível o interesse por livros e é assim que me parece deve ser organizado um evento dessa natureza. O foco deve ser dirigido para o objeto maior da realização da feira, nesse caso o livro. Vejam algumas fotografias. 

 Aqui uma série de imagens do stand de minha editora, Bibliotetda24horas. É pequeno, mas apresenta uma grande variedade de obras publicadas. Ela facilita os trâmites de publicação, reduzindo ao máximo o trânsito de papel. Maior par
te do processo é feito por meio da internet. Os arquivos seguem esse caminho. 

 Acima e ao lado, as mesas onde ficam os autores em sessão de autógrafos. É onde eu estarei hoje das 18 às 20 horas. 

As estantes expondo os livros dos vários autores que tem livros presentes à Bienal. Quem conhece as capas dos meus, poderá encontrá-los na imagem acima.  

      Esse stand é de uma editora dedicada a produzir livros em braile para os cegos. 


Ao fundo, direita, local de saída e entrada. 

 Diversas editoras de que jamais ouvira falar, nem vira seu nome impresso em alguma capa de livro. Estão aqui nesse evento gigantesco dedicado a algo, muitas vezes tratado com pouco caso e menosprezo. 

Essa última não sei se o nome é Tapioca ou Novo Século, mas ambos aparecem em destaque. Talvez Novo Século seja usado para identificar o site da editora. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *