Um japonês especialista em cachaça – Capítulo VIII

Desfile japonês em São Paulo, bairro Liberdade.

 

Comércio de rua na Liberdade.

 

Imigrantes japoneses viajando de trem.

 

Imigrantes no abrigo de imigração em São Paulo.

 

Hospedagem no abrigo.

 

Kasato Maru, atracado no porto de Santos.

 

Cartaz de propaganda japonesa emigração.

 

8. Eis nosso
 
 japonês.
 
 
            O Brasil, desde as últimas décadas do segundo império, sofria com a falta de mão de obra para o trabalho na agricultura. Acordos internacionais restringiram a vinda de escravos da África e aqui leis restritivas como: A Lei dos Sexagenários, Lei do ventre livre, diminuiam a força de trabalho. Por outro lado a necessidade de expansão da produção exigia mais braços para o trabalho. O recurso foi estimular a imigração. Os europeus eram estimulados a virem ocupar o espaço livre, especialmente italianos, alemães, poloneses e outros. Existia uma restrição com relação aos asiáticos, por serem considerados pelos ocidentais como uma raça inferior e com religião totalmente diversa.
            O Japão abriu-se para o comércio mundial depois de 1846, com o término do Xogunato Tokugawa. Foram 265 anos de isolamento, terminando com uma agricultura limitada a produzir apenas o suficiente para o consumo, sem permitir a formação de estoques para enfrentar catástrofes. Iniciou-se uma rápida mecanização da agricultura, provocando o desemprego ou endividamento rual. Os proprietários insolventes perdiam suas terras para os credores. Isso gerou um aumento na população urbana, onde não existia emprego para tantos braços.  A solução era negociar com países com território capaz de acolher o excedente populacional.
            Houve o início de negociações com o Brasil nos anos 60/70, porém somente em 1895 foi assinado um acordo nesse sentido. Houve inclusive a lei nº 528 de 1890, assinada por Floriano Peixoto, proibindo a imigração de asiáticos. Um decreto sob o número 97, posterior, tornou essa lei sem efeito. O primeiro embarque foi suspenso na véspera, devido à queda internacional nos preços do café, motivada por uma superssafra ocorrida naqueles anos. Situação essa que persistiu até 1906. Em 1907 um pequeno grupo formado por profissionais liberais como juizes, advogados e outros, estabeleceu-se em território do Estado do Rio de Janeiro. A inexperiência, falta de apoio e aparente esgotamento do solo, levou o projeto ao fracasso.
Imigrantes desembarcando em Santos.

 

Passageiros do Kasato Maru no porto de Santos (desembarque)
 
            Em 1908 o navio Kosato Maru, desembarcou 781 imigrantes no porto de Santos. Era o primeiro contingente significativo de trabalhadores vindos do oriente. Seguiram-se outros grupos até 1914, quando ocorreu uma interrupção até 1917, quando terminou a Primeira Guerra Mundial. Nesse período, especialmente nas décadas de 20/30 ingressou no Brasil um enorme contingente de imigrantes japoneses. Muitos deles vinham pensando em fazer fortura e voltar para o Japão. Por isso sequer se preocuparam em aprender o idioma.
            As dificuldades de adaptação ao clima, remuneração reduzida e o trabalho pesado, levaram muitas famílias a abandoner o campo nos primeiros anos. Já um bom grupo conseguiu estabelecer com os proprietários parcerias que ao final de um período de sete anos lhes dava direito a um pequeno pedaço de terra, além de serem donos de tudo que produzissem além do café que tinham que formar. Sendo a primeira safra de sua propriedade. Assim, após alguns anos, começou a existir em todo interior um considerável grupo de pequenos proprietários de terras.
 
Familia de imigrantes cultivando sua terra.

 

Imigrantes peneirando café.

 

Imigrantes derrubando mato.

 

Imigrangtes capinando cafezal.
 
            Era de esperar que os donos não iriam entregar a eles as melhores terras, destinadas às seus cafezais. A vantagem dos agricultores japoneses era serem acostumados a trabalhar em locais difíceis. O território de sua patria é em grande parte acidentado, com pouco solo fértil e em grande parte de difícile cultivo. Assim, optaram por plantar bananas, abacaxi, arroz e outras culturas, que ofereciam retorno em menos tempo que o café.
            Hiromoto Sakaguti, casado com Sakira Kumabe, Hiroji Fujita, casado com Kisoku Yamashita, estavam entre esses. Junto com os filhos que nasceram depois de virem trabalhar aqui, trabalharam por mais algum tempo para os patrões no café, enquanto faziam suas lavouras de subsistência. Logo perceberam a carência de hortaliças no mercado da capital paulista. Culturas essas de ciclo curto, com retorno em tempo curtíssimo, além de exigirem pequenas áreas. Dessa forma tinham, em pouco tempo, uma considerável quantidade de produtos para colocar no mercado. A dificuldade maior era a intermediação dos grandes atacadistas.
            Um grande contingente de imigrantes que haviam deixado os cafezais, estava instalada na região do bairro da Liberdade, até hoje reduto da população de descendência nipônica. O filho caçula de Hiromoto, Kenji, casou-se com Kimiko Fujita, filha do casal amigo vindo no mesmo navio para o Brasil. Desde muito havia demonstrado pouco interesse em cultivar a terra, menos ainda trabalhar para os fazendeiros de café. Procurou no bairro japonês da capital e ali estabeleceu uma pequena mercearia. Isso no ano de 1937. Com um caminhão ford usado, trazia do interior as hortaliças, bananas, abacaxis e outros produtos. Em pouco tempo o movimento de seu estabelecimento cresceu sensivelmente.
            Numa de suas passagens pelo Mercado Municipal, travou conhecimento com alguns comerciantes nipônicos ali estabelecidos. Lembrou de lhes oferecer a possibilidade de fornecer os produtos que trazia do interior. Poderia oferecer um preço mais acessível do que eles pagavam aos atacadistas além de remunerar melhor os produtores. A possibilidade de obter produtos melhores e com preço mais acessível, além da voz do sangue, estabeleceu o relacionamento quase que imediatamente. Em poucos dias estava empenhado em viajar constantemente para o interior para buscar produtos. Seu veículo era pequeno e trazia uma pequena quantidade de cada vez.
 
Comércio japonês em São Paulo(Liberdade)

 

Liberdade hoje.
 
            Logo conseguiu economizar algum dinheiro e negociou um veículo de maior capacidade, além de ser mais novo. Trazia a dupla vantagem de transportar mais e as panes eram menos frequentes, aumentando sua capacidade de atendimento. A concorrência com os grandes atacadistas gerou alguns atritos, mas um advogado residente nas vizinhanças o ajudou a remover os obstáculos. Dessa forma o crescimento da mercearia foi uma consequência imediata, tornando-se em pouco tempo um estabelecimento de maiores proporções. Um dos principais fornecedores de alimentos à população do bairro da Liberdade.
            O português aprendido na escola e a convivência diária na capital, ajudaram-no a dominar suficientemente o idioma. Tinha desde criança propensão aos números, auxiliando-o a fazer o controle de seus negócios, gerenciar os preços e lucros. Os filhos Toshiro, Hideki e Nagori frequentaram a escola pública e mais tarde ingressaram em escolas pagas pelos pais. Dessa forma alcançaram condições de ingressar na universidade. Caminho seguido por todos. Toshiro cursou química, Hideki formou-se em Biologia e Nagori completou o curso de direito.
            Toshiro ingressou em uma empresa de produtos químicos para agricultura. Sua área de atuação era o nordeste e dessa forma passava a maior parte do tempo viajando pelo interior nordestino. Ali não havia muito que fazer com produtos químicos, devido à precariedade do clima. Os moradores dali tinham grandes dificuldades de obterem o suficiente para alimentar suas famílias. Dessa forma as vendas que conseguia realizar restringiam-se às regiões metropolitanas, além de alguns poucos fazendeiros que haviam conseguido implantar sistemas de irrigação.
            Desde criança tivera facilidade em gravar os sabores de alimentos e bebidas. Conhecera diversas variedades de saquê, produzido no interior paulista por alguns agricultores, em pequenos alambiques. Aprendera a degustar e identificar as características de sabor, textura, envelhecimento das bebidas. Em suas andanças pelo nordeste teve oportunidade de experimentar diversas variedades de cachaça. Algumas apreciadas em grandes regiões, outras de alcance local. Sua memória prodigiosa registrara o sabor e o nome, bem como o tempo de envelhecimento de cada uma.
            Um sucesso considerável, apesar das dificuldades regionais, levou a indústria a trazê-lo para estados sulinos, onde percorreu o interior do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul. Depois foi a vez de trabalhar em São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Minas Gerais. Ao longo de mais de 20 anos percorreu estradas do interior, enfrentando toda sorte de dificuldades, poeira, calor, frio, chuva e outros obstáculos. Sempre tinha um sorriso no rosto e onde chegava não tardava em conquistar admiradores. Alguns o chamavam de japonês sorridente.
Quando foi trazido para uma posição de chefia na capital, havia percorrido um equivalente a muitas voltas ao redor do globo terrestre. Veio concluir sua vida de trabalho na sede da indústria, onde usou de sua vasta experiência no campo, em todos os estados do país, para dirigir a equipe de trabalho, visando atender as características regionais. Não era possível ter a mesma política de preços, quantidades de produtos para os diferentes estados. Cada região tinha necessidades diferentes. Os parasitas não eram os mesmos, as carências minerais e doenças eram outras. Isso exigia medicamentos diferentes, suplementos diversos. Sem contar com a variedade de raças animais com características próprias.
Dessa forma a empresa conseguiu uma maior penetração no mercado em expansão. Viajou algumas vezes para regiões de expansão recente da agricultura e pecuária, indo verificar pessoalmente as condições locais, para depois sentar com a equipe de planejamento e traçar as diretrizes a serem aplicadas.
Enquanto isso acontecia, Manoel continuou em sua trajetória de trabalho e economia. Sua incursão no campo do mercado de ações tiveram algum sucesso e ele diversificou suas aplicações. O crescimento intense da Petrobrás e do Banco do Brasil, além de outras empresas de destaque, permitiu a formação de um pecúlio considerável. Em 1976 recebeu de Ancede a comunicação do falecimento do pai. Ao receber a notícia, o sepultamento havia ocorrido algumas horas antes, não permitindo sequer a tentative de viajar para o funeral. Projetou ma visita à família para o ano seguinte, no período de suas férias. Em meados de 1977 viajou para Portugal, onde há três anos havia sido deposto o regime do successor de Salazar e começava a reinar um clima de otimismo. Passou os dias com sua mãe, já idosa e doente.
Verificou que a família no todo estava em boas condições e poderiam se manter adequadamente. Não era necessário enviar ajuda, mas também não dispunham de condições para lhe fornecer nenhum auxílio. Sua vida dependia de suas próprias forças. Ao contar à mãe o montante de suas economias, ela ficou admirada. Nenhum de seus irmãos conseguira reunir nada parecido. Mesmo assim aconselhou-lhe a seguir assim e procurar uma mulher para se casar. Já estava na casa dos 40 anos e deveria constituir sua família, para não ser pain a idade de ser avô. Ele prometeu pensar no assunto.  
Junto com suas economias, sabia que era participante do programa de Fundo de Garantia desde sua criação e mais recentemente do PIS. Quando se aposentasse poderia usar esses fundos para adquirir imóveis, montar seu próprio negócio ou viver de rendas se soubesse aplicar de maneira adequada no mercado financeiro. Isso era projeto para dali a uns quinze anos. Antes, se quisesse se aposentar, poderia fazê-lo mas perderia uma parcela significativa de seu rendimento inicial, devido à proporcionalidade.
A vantagem do FGTS era que o saldo poderia ser usado em qualquer época na aquisição de imóveis residenciais. Estava ficando cansado de viver, há muitos anos em pensões e pousadas. Mudara várias vezes, fizera uma experiência de morar em forma de república junto com outros colegas solteiros. Isso se mostrare também um problema. Havia sempre quem gostasse de levar vantagem sobre os companheiros. Em 1980, ocorreu a eleição de João Batista Figueiredo em substituição a Ernesto Geisel para ocupar a presidência da República, pelo colégio eleitoral. Eleição da qual o povo não participava. A eleição era indireta. O congresso nacional, maioria da ARENA, votava maciçamente no candidato oficial das forças armadas. O candidato do MDB era mero coadjuvante, para legitimar o processo como democrático. Estava longe disso na verdade.
Nessa época começou o movimento operário pela renovação política. O embrião do partido representative dos trabalhadores nasceu, vindo posteriormente a ser consolidado na forma do PT. Figueiredo implantou a “abertura política” na forma de uma gradual liberalização do regime, resultando no movimento das “Diretas Já”. Com isso ocorreu em 1985 a eleição de Tancredo Neves e José Sarney para presidente e vice respectivamente. Em todos esses momentos Manoel se manteve atento, mas nunca se envolveu diretamente nas manifestações. Em 1983, ocorreu uma explosão de uma caldeira em local próximo ao de trabalho dele.
O impacto derrubou a parede e parte do teto, ficando vários dos companheiros de trabalho presos sob os escombros. Depois de um trabalho árduo dos bombeiros, conseguiram resgatar todos com vida, sendo que apenas um estava em estado crítico. Sofrera traumatismo craniano e corria risco de vida. Depois de socorrido, Manoel foi levado para o Hospital da Beneficiência Portuguesa, onde foi submetido a uma série de exames. Constatou-se que não sofrera nenhum problema na cabeça, torax ou coluna. Apenas o pé esquerdo fora parcialmente esmagado por um pedaço de concreto que o atingira. Além disso o dedo inficador da mão direita for a decepado, deixando os demais ilesos. Tinha algumas outras escoriações, porém nada de sério.
Após algumas tentativas de salvar o pé, os medicos lhe comunicaram que seria necessária a amaputação dos dedos e uma parte do pé. Ficaria em condições de caminhar, embora com alguma dificuldade. No primeiro momento ficou abalado, mas vendo o estado de outros que precisavam amputar um braço, uma perna, consolou-se. Fora beneficiado pela providência divina e sua lesão era de menor monta, perto de outros deitados em leitos ao seu lado. O pé foi amputado e uma semana depois recebeu alta. Foi preciso usar um par de muletas por alguns dias, depois apenas uma e finalmente conseguia caminhar, claudicando levemente.
Durante seu período de internamento os funcionários da empresa haviam feito visitas frequentes para verificar sua situação. Era lamentável o ocorrido e estavam a disposição para qualquer necessidade. Manoel comunicou o fato à família só depois de já estar recuperado. A mutilação do pé permitiria que ele continuasse trabalhando, porém a falta do dedo iria dificultar suas ações profissionais. Dessa forma o advogado que o procurou logo depois da alta lhe informou que poderia se aposentar por invalidez. A mutilação acidental lhe permitiria aposentar-se sem perder nada em seus vencimentos. Poderia sacar seu fundo de garantia, o saldo do PIS além de receber uma indenização considerável.
Embora isso lhe sugerisse que o plano que fizera para dali a dez ou mais anos, poderia ser realizado imediatamente. De certo modo a mutilação sofrida o beneficiara. Mesmo assim teria preferido seu corpo inteiro e continuar a trabalhar. Gostava do que fazia. Cada peça terminada era como um filho colocado no mundo da mecânica. Não raro se via imaginando os lugares diversos em que estariam todas as peças que haviam saído prontas de suas mãos ao longo dos anos. Tentava imaginar a montanha de aço que seria possível formar com todas as suas peças produzidas.
Fazia uma ligeira conta do número médio diário e os dias de cada semana, era possível fazer uma estimativa do total que havia usinado em todos esses anos. Era possível haver coisas em que pusera a mão em todos os cantos do país e até mesmo no exterior para onde haviam sido exportados veículos. Preferiu se concentrar no presente. Precisou se acostumar a escrever em o dedo indicador o que levou algum tempo. A letra saia um pouco irregular na primeira carta que se animou a escrever. Endereçou-a ao irmão, pois sabia do estadode saúde debilitado da mãe. Se ela recebesse a notícia assim diretamente, poderia inclusive sofrer de um acidente vascular, ou cardíaco, levando-a a morte. Se ocorresse sua aposentadoria, antes de se estabelecer com algum negócio em definitive, faria uma visita à família. Estivera há algum tempo flertando com uma jovem, filha de um patrício. Talvez fosse o caso de levar isso mais a sério e talvez casar-se com ela.
Primeiro esperaria o desenrolar dos fatos. Enquanto esperava o processo de aposentadoria encaminhado pela própria empresa, encontrou-se com a jovem Eduarda de Almeida. Tentou seconder sua mutilação mas não teve êxito. Ela logo percebeu e, em lugar de o rejeitar por causa disso, se compadeceu de sua condição. Começaram a namorar e ela o apressentou aos pais. O fato de estar em vias de se aposentar era favorável, pois a moça era filha única. Os pais gostariam que ela ficasse morando nas imediações em que residiam. Manoel deixou tudo em suspenso, esperando pelo desfecho do seu processo.  
            Qualquer decisão mais importante seria tomada depois disso definido. Passou o tempo reaprendendo a pedalar, agora com o pé esquerdo faltando uma parte, exercitou bastante o corpo. Ingressou em uma auto-escola para ver se poderia tirar a carta de motorista, mesmo depois da mutilação sofrida. Com um pouco de esforço achava que seria possível. No começo sentiu dificuldade por ter a tendência de usar a ponta do pé, agora inexistente, para acionar o pedal da embreagem. Aos poucos acostumou-se a usar mais a parte posterior, próxima do calcanhar. Nos calçados enchia a ponta com jornal, de modo a disfarçar a lesão. Quem o visse caminhando, apenas claudicando um pouco, dizia que tinha algum problema de quadril ou mesmo de joelho.
            Depois de algum tempo, poucos dias antes de fazer a perícia para deferir ou não sua aposentadoria, realizou com êxito o exame de motorista e menos de uma semana depois recebia em seu endereço o documento que o habilitava a dirigir veículos automotores pequenos. Não poderia dirigir caminhões ou ônibus. Poderia mudar de categoria depois de permanecer na inicial durante cinco anos. Não tinha essa pretensão. Um automóvel ou caminhonete era mais que suficiente para ele. Com certeza não nutria o desejo de sair pelas estradas do país ao volante de um caminhão de cargas.
            Quando se submeteu à perícia, tinha em mãos o atestado médico indicando as lesões sofridas e em poucos minutos estava aprovado seu processo. Poderia esperar pela correspondência que lhe levaria o resultado final e a agência bancária para poder receber seus vencimentos. Também havia sido avaliado o dano sofrido e estabelecida a indenização correspondente. Levou um leve susto quando soube que receberia pela parte do pé e o dedo decepado o valor equivalente a 150 vezes o seu salário no momento do acidente. Isso significaria um montante bem além de tudo que conseguira economizar até o presente momento, mesmo com seus investimentos na bolsa de valores, onde nunca deixara de ter algum lucro, mesmo nos momentos mais críticos. Não perdere dinheiro, quando muita gente amargava sérios prejuízos em diversas ocasiões. Isso era um fato importante.
            Decidida a questão de sua aposentadoria, procurou uma agência de automóveis. Olhou bem os novos, experimentou pois agora era motorista habilitado e podia testar o que tinha intenção de comprar. Também foi aos revendedores de usados, com um ou dois anos de uso. Comparando a diferença de preço e as possíveis despesas de manutenção com os usados, chegou à conclusão de que era mais vantajoso adquirir um novo. Verificou seu saldo na CEF e constatou que poderia comprar vários automóveis e ainda sobraria um bom dinheiro. Decidiu-se pela comprá de um da marca Chevrolet, modelo Opala, quatro cilindros e duas portas. Ficou indeciso com a cor e por fim optou por um de cor bege. O branco era muito suscetível à sujeira, aparecendo qualquer coisa que houvesse.
            Havia feito uma transferência da conta poupança para a conta corrente e pagou com um cheque. Na própria agência fez contato com um despachante para encaminhar o emplacamento, bem como um seguro total, para se precaver contra roubos e eventuais acidentes. Feito isso, saiu passeando alegremente com seu automóvel. Parou diante de um estúdio fotográfico e pediu ao profissional para tirar diversas poses com ele ao lado do carro, sentado ao volante, embarcando e desembarcando. Feito isso ficou satisfeito e continuous. Foi fazer uma visita à dona Marinês, agora idosa e tendo posto a pensão aos cuidados de uma neta. Ficou contente ao ver o antigo inquilino. Lamentou o fato de ter sofrido o acidente, mas se alegrou com sua aposentadoria a significativa indenização que iria receber.
            Levou a velha senhora a dar uma volta em seu carro, depois a deixou novamente em casa. Voltou ao pensionato onde morava atualmente, depois passou na casa da namorada Eduarda para lhe mostrar sua aquisição. Levou a família para passear no final de semana em Santos. Procurou pelo antigo companheiro, mas ficou sabendo que o mesmo viera a falecer alguns meses antes. Deixara a esposa e três filhos já crescidos. Viviam e trabalhavam no mesmo estabelecimento, um pouco ampliado com que o amigo havia iniciado tantos anos antes. Hospedaram-se em um hotel de porte médio, passearam na praia, tomaram banho de mar e no domingo à noite retornaram a capital.
            Na segunda feira recebeu o aviso do dia em que seria depositado em sua conta bancária, bem como o dia em que seria depositado o montante da indenização. Pouco depois foi até a empresa se despedir dos antigos colegas, rever os funcionários administrativos com quem havia tido contato. Agradeceu pelo bom relacionamento que haviam lhe dispensado durante os longos anos de convivência. A partir de agora viveria uma vida diferente. Sabia que sentiria saudades das máquinas suas companheiras por tantos anos. Mais de uma vez haviam sido substituidas por outras mais modernas ao longo de sua vida profissional desenvolvida toda ali na mesma empresa. Eram praticamente vinte e cinco anos.

 

            Poderia começar a procurar uma casa para comprar, ou um negócio que estivesse à venda. Poderia ser uma mercearia, um bar, ou uma loja de aviamentos ou coisa semelhante. Tinha tempo para procurar. Não necessitava ter pressa. 
 
Barri da Liberdade nos dias de hoje.

 

Imigrantes cultivando batatas.

 

Família de imigrantes cultivando bananas.
 

Uma ideia sobre “Um japonês especialista em cachaça – Capítulo VIII

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *