Um japonês especialista em cachaça – Capítulo XIII

vitrine_mg_7352

Garrafas de aguardente com “martelinho” ao lado

cervejaria-do-alemão-mooca

Vitrine de bebidas em bar

cachacas11-g-20100224

Coleção de rótulos de cachaça.

  1. Coleção de cachaças cresce.

 

 

O marceneiro terminou a primeira parte do armário. Os elogios ao efeito produzido foram unânimes. As garrafas existentes foram colocadas inicialmente espaçadas. Caberiam muitas no mesmo espaço, mas por enquanto iriam ficar assim. Na medida em que mais outras se juntassem ao acervo, iriam sendo preenchidos os espaços vazios. Quando estava terminando de colocar as últimas e depois observar o efeito causado, Manoel sentiu ao seu lado a presença de um cliente. O mesmo se mantivera mudo até aquele instante, mas logo disse:

– Está ficando bonita sua coleção. Quando eu falar com os meus vendedores do interior nordestino, vou pedir para eles trazer algumas espécies que só existem por lá. Conheço todas elas do tempo em que eu viajava na região.

– Mas sabe a diferença delas pelo gosto, ao sentir o sabor? – perguntou Francisco.

– Eu faço uma aposta que você abre uma garrafa, sem eu ver, serve um copinho e me entrega. Fico de olhos fechados. Tomo um bom gole e digo a marca, safra e, em alguns casos, até o nome do fabricante.

– Pode ser, mas é um pouco difícil de acreditar, seu Toshyro, – tornou Francisco.

– Quer fazer uma experiência?

– Vamos encontrar uma que tenha duas garrafas e abrimos uma delas. Acho que tem uma lá do nordeste mesmo. Um amigo trouxe uma e depois o outro trouxe mais uma. Dá para nós sanarmos as dúvidas, – falou Manoel.

– Mas isso tem que valer uma aposta!

– Vamos ver se alguém topa apostar quando houver mais gente no estabelecimento. Ainda é muito cedo. Isso vai ser uma farra.

– Não tem problema, seu Manoel. Pode esperar que seus clientes venham. Hoje eu não tenho pressa. Minha família foi para o interior e não preciso voltar tão cedo para casa.

– Vou colocar a pinga para gelar.

– Não faça isso. Gelada ela não mostra seu verdadeiro “espírito”. Tem que ser tomada na temperatura ambiente.

– Ainda mais isso. Mas geladinha ela não desce mais suave?

– Cachaça, se for boa, não arde, nem nada. Mesma coisa que wisky. Gelado ele não tem o sabor. Os verdadeiros bebedores tomam ele na temperature ambiente.

– Será que os alemães também tomam cerveja sem gelar?

– Exatamente. Lá o clima é em si mais frio e por isso eles não precisam gelar. Bebem na temperatura ambiente, até mesmo o chopp. Nos dias muito quentes êles colocam em resfriamento leve para não ficar môrno.

– Faz sentido. O vinho, por exemplo do Porto, se bebe sem gelar. O único que se bebe gelado é o branco, champanha, espumante. O tinto é tomado na temperatura em que sai da adega. Por isso que é guardado nas adegas  que são sempre os porões das casas.

– Enquanto esperamos o povo chegar, que tal jogarmos uma partidinha de sinuca, seu Manoel? Deixe seu ajudante cuidar do bar e vamos nos divertir um pouco.

– Uma boa ideia, seu Toshyro.

Cachaça-Espalha-Gripe

Aguardente Espalha Gripe, de Alcântara

Cachaça-Bafo-de-Onça

Aguardente de cana Bafo de Onça (Essa é braba)

cachaca6

Aguardente NAXOXOTA

 

Manoel pegou um par de fichas na gaveta do caixa e foram para uma das mesas. Jogaram para se divertir. Depois de perder a primeira para Manoel, Toshyro provocou:

– A próxima vale uma garrafa de vinho do bom. Se for para perder ou ganhar, tem que valer alguma coisa.

– Vamos a isso, então amigo. Uma garrafa de Vinho do Porto. Pega lá Francisco. Uma daquelas que guardo onde tu sabes.

Logo Francisco colocou sobre um suporte uma garrafa de vinho, bastante envelhecido, em uma vasilha bojuda, com um lado achatado, dando-lhe uma forma típica. Toshyro observou atentamente e viu que era da safra de 1974, portanto já estava com 11 anos nesse momento. Deveria ser algo especial. Nem perguntou o quanto custaria se viesse a perder o jogo. Os dois se empenharam ao máximo e chegaram ao ponto em que cada um dispunha apenas de uma bola para ser derrubada, além da bola oito. Um grupo de torcida se formara ao redor e ficaram sabendo da aposta feita. Aquele jogo valia a garrafa de vinho exposta alia o lado.

Todos fizeram questão de olhar e cobiçar o líquido escuro que havia em seu interior. Estaria reservada ao vencedor daquele jogo. Por último Toshyro derrubou sua bola e ficou pela única. Depois de duas jogadas de cada lado, finalamente a bola oito caiu na caçapa e Toshyro saiu vencedor. Recebeu das mãos de Manoel a garrafa de vinho, sopesou-a e falou:

– Vinho bom é para ser bebido, não apenas para ser olhado. Francisco, traz lá um saca-rolhas e alguns copos. Não vai dar para ninguém se embriagar, mas para sentir o sabor desse vinho de onze anos. Obrigado, Manoel.

A garrafa foi aberta e um pouco do conteúdo foi vertido em diversas taças, que foram distribuidas aos presentes. Tendo nas mãos o recipiente com o líquido de cor forte, exalando um aroma inigualável, elevaram um brinde:

– À prosperidade do nosso amigo Manoel e sua família, – disse Toshyro.

As taças tilintaram e todos beberam um pequeno gole, saboreando o excelente vinho. Depois mais um gole e logo as taças estavam vazias. Todos lamentaram não haver mais. Perguntaram a Manoel qual era o preço e desistiram de pedir, pois representava um valor elevado para suas disponibilidades. Era peferível jogar algumass partidas de pebolim, sinuca e tomar uma ou duas cervejas. Ficaria mais em conta do que uma única garrafa de vinho.

Logo se espalhou que o japonês ali presente, que dividira com eles tão generosamente o vinho ganho no jogo, era especialista em cachaça. Dizia-se capaz de identificar pelo sabor a marca, procedência e safra do produto. Começaram a questionar entre si se isso seria capaz. Surgiram promessas de apostas entre eles até que chegou o momento de tornar o assunto sério:

– Amigos! – disse Manoel. – Temos alguém aqui que se diz capaz de identificar cachaça pelo sabor. Até mesmo pode ser capaz de dizer o nome do fabricante em alguns casos. Ele topa fazer uma demonstração, mas precisa valer uma aposta.

Era a deixa para organizarem as apostas. Havia quem apostasse a favor, outros contra e logo havia uma soma relativamente alta de dinheiro reunida em uma caixa de papelão. Os valores apostados haviam sido anotados, ficaria uma porcentagem para o estabelecimento, outra para o especialista, e uma outra para os ganhadores.

Cachaça Atrás do Saco.

Tome ATRÁS DO SACO

Cachaça Na bunda

Cachaça Na bunda (Cuidado)

135343251053

Aguardente de cana KIPRESENTE

 

Tudo acertado, Manoel pediu para Toshyro sentar-se de costas para o balcão, enquanto ele iria abrir a garrafa de bebida que já estava colocada em local escondido atrás do balcão. Abriu e serviu uma dose num copo, o vulgo “martelinho”. Levou para a mesa onde o experimentador estava e colocou a bebida ali. Ao ouvir o ruido do copo na mesa, Toshyro abriu os olhos que mantivera fechados, como que se concentrando. Pegou o copo, olhou o líquido contra a luz para ver sua transparência, levou-o aos lábios, sorveu um gole. Levou o líquido para a parte posterior da língua e lhe sentiu o sabor. O aroma ele já percebera ao aproximar o copo do rosto.

Sentiu por instantes o paladar da bebida, engoliu e estalou a língua, como quem aprova o que bebeu.

– E então, seu Toshyro! Qual é a marca da cachaça que o senhor bebeu?

Depois de pensar alguns instantes, fazendo suspense, ele declinou a marca, o local onde é fabricada, a safra e o nome do alambique. Todos quiseram saber de Manoel se o que for a dito conferia com o que estava escrito no rótulo. Manoel pôs-se a ler. A medida que lia, primeiramente a marca, depois o fabricante, a safra por último. Estava exatamente igual ao que for a dito por Toshyro. Manoel fez a divisão do dinheiro e havia quem ainda duvidasse. Olhos indagadores se dirigiram para Manoel e este falou:

– Meus amigos, nem eu acreditava que isso seria possível. Tanto que apostei contra e perdi. Podem ver aqui minhã aposta.

E mostrou o seu nome com a anotação ao lado dizendo que o homem não seria capaz de fazer o que dizia.

a-boa-cerveja

Foi a partir daí que começaram a surgir desafios os mais diversos, sempre na identificação de cachaças produzidas em lugares remotos. Já traziam sempre duas garrafas. Uma era para ficar no acervo da coleção do bar e outra para ser experimentada pelo japonês especialista. Quase todas as semanas vinha alguém com duas ou mais garrafas de cachaça, provenientes de distintos lugares. Cada visita de Toshyro, culminava com um desafio e uma rodada de apostas. Houve quem propusesse fazer uma sequência maior de apostas, mas Manoel não permitiu. Isso iria caracterizar a realização de jogos de azar no bar. Seria caracterizada a transgressão das normas legais e isso geraria dissabores depois.

fruta rara

Aguardente de Pendão, FRUTA RARA

 

Importante era manter as coisas dentro de limites sem exageros. Não estava caçando confusão naquela altura dos acontecimentos. Os sábados eram em geral o momento de receber as novas variedades de aguardente. Algumas vinham mesmo de grotas bem distantes, de modo a sequer terem um rótulo bem impresso, colorido e tal. Era um papel branco, com o nome da bebida, local, fabricante e data. Diziam os portadores ser de ótima qualidade, apesar da aparência um tanto rústica. Manoel colocava uma garrafa na vitrine, guardando a outra. A cada sessão de apostas uma delas era aberta para testar o paladar de Toshyro.

Houve até um concorrente que se apresentou, dizendo ser capaz de dizer até o dia da fabricação. Isso foi considerado exagero, pois essa informação não era possível confirmar. Não vinha impressa nos rótulos. Na primeira tentative ele errou feio e foi vaiado. Depois entrou na brincadeira, pois havia pensado tratar-se de uma espécie de concurso. As novas que iam sendo colocadas na vitrine, eram vistas por Toshyro. Ao vere le evocava de sua memória as informações e descrevia o sabor que a bebida apresentava. Mais teor alcoólico, mais ácida, menos ácida, maior teor de açúcar e outros detalhes. Depois, quando chegava a hora de experimentar dela sem saber da orígem, vinha a sua memória o que dissera na descrição. E logo declinava nome, orígem, ano de fabricação e fabricante. A cada semana havia uma nova garrafa para ser experimentada.

ta na hora

Aguardente de cana TÁ NA HORA

 

Cura-Veado-e1354885390384

Aguardente CURA VEADO

 

 

O mes de agosto passara, setembro ia a meio. Os enjôos de Eduarda estavam cessando. O começo da gestação sempre é mais intenso nessas sensações. Em algumas semanas seria realizado o primeiro exame de ultrassom. O ginecologista estava acompanhando o desenvolvimento e tudo estava dentro da normalidade. Iria pedir o exame na próxima consulta. Talvez já fosse possível determinar o sexo da criança, saber outros detalhes relativos ao desenvolvimento. Os futuros pais estavam cada dia mais entusiasmados. O quarto em que iria dormir o bebê, estava sendo decorado aguardando a chegada. Tudo is sendo feito com calma, pois ainda faltava tempo suficiente para isso.

Os avós estavam aguardando ansiosos pelas novidades. A cada visita que faziam, traziam alguma roupinha, um cobertor, um brinquedo, qualquer bugiganga, contanto que servisse para ser usado de alguma forma pelo neto. Os tios e tias, do lado materno, igualmente estavam querendo saber sempre como andava a irmã caçula. Todos eram casados e tinham seus filhos. Tinham sempre alguma coisa a sugerir, conselhos a dar, simpatias para isso, ou aquilo. Havia momentos em que Eduarda preferia ficar sozinha em sua casa, de tanto que enchiam seus ouvidos com coisas diversas, muitas vezes contraditórias. Se fosse dar ouvidos a tudo que lhe diziam, ficaria maluca. Era melhor seguir a orientação do médico e sua intuição.

Os tios, residentes em Portugal, haviam sido informados e aguardavam o nascimento. A avó estava bastante doente, mas torcia para ter vida até ver ao menos uma fotografia do primeiro neto do filho mais novo. Enquanto isso Eduarda tratava de dominar os segredos da cozinha do bar. No futuro esperava assumir o comando desse setor. Arminda já estava um pouco idosa e por vezes mostrava sinais de cansaço. Poderia a qualquer dia oferecer uma surpresa. Prevendo isso, ela tratou de marcar consultas com medicos para examinar a cozinheira. Foi detectado que ela sofria de diabetes e não sabia disso, de modo que o nível de açúcar no sangue era elevado.

Os exames determinaram também níveis de cholesterol acima do normal. Dessa forma ela precisou se submeter a um regime bastante rigoroso, além de usar medicação adequada. Três vezes por semana, Eduarda levava a funcionária para uma academia, onde as duas participavam de ginástica, um pouco de musculação, caminhadas na esteira, bicicleta ergométrica. Dessa forma em algum tempo estavam em forma razoável. Eduarda aos poucos precisou reduzir a carga de exercícios, para não prejudicar seu estado de gestante.

Com os exercícios e a medicação adequada, o estado geral de Arminda melhorou muito. Não mais sentia tonturas, o cansaço constante pareceu desaparecer. Isso alegrou deveras a boa senhora. Gostava muito de seu trabalho e não gostaria de deixar os patrões em apuros, logo agora que estavam esperando o nascimento do primeiro filho. Tinha sentiment de imensa gratidão por Eduarda, bem como por Manoel que apoiava todas as decisões da esposa. Tinha sob seu comando duas jovens, uma há mais tempo e a outra recentemente contratada. Estavam ainda em fase de aprendizado, mas eram providas de boa vontade.

Infelizmente a mais antiga, não tinha a menor inclinação para a cozinha. Raramente tinha uma iniciativa própria. Era necessário mandae fazer tudo. Executava o que era mandada fazer e nada mais. Até mesmo lavar a louça que se acumulava na pia durante o processo de preparo das refeições. Arminda era adepta de manter o lugar de trabalho o mais limpo e desimpedido possível. A pia cheia de louça usada não se coadunava com esse princípio. A que fora contratada mais recentemente apresentava mais iniciativa. Sempre se dispunha a lavar a louça, retirar o excesso de lixo acumulado nos recipients coletores, varrer o chão e passar pano úmido com detergente para manter tudo limpo. Chegava por vezes ao exagero.

O ventre de Eduarda começou a crescere e no bar, a coleção de garrafas em exposição ia aumentando semanalmente. Por vezes eram várias na mesma semana, outras vezes passavam-se duas ou três semanas sem nenhum acréscimo. O momento da degustação de uma nova variedade e as apostas consequentes passou a ser um momento aguardado com certa apreensão. Havia quem torcesse por ver o dia em que Toshyro se visse na necessidade de declarar sua ignorância diante de uma variedade que houvesse surgido mais recentemente.

cachacas01-g-20100224

Cachaça PELADINHA

CACHAÇA-balanca-MAS-NÃO-CAI (1)

Cachaça BALANÇA…MAS NÃO CAI!

 

O grupo de pessoas interessadas em ver crescer a coleção estava empenhado em esquadrinhar todos os recantos do país, na busca de variedades de cachaça. Houve situações em que, mesmo não sendo capaz de identificar o nome, surgido em época posterior às suas viagens pelo interior nordestino especialmente, mas, seu paladar era capaz de identificar a região de onde vinha. As características do solo davam à cana de que é feita a aguardente, traços específicos. Desse modo era possível saber de que estado, bem como da microregião onde era produzida e isso invariavelmente era capaz de declinar. Acrescentava ser provavelmente uma variedade que nunca bebera em suas viagens. O rótulo comprovava suas palavras.

O paladar apurado do descendente nipônico tornou-se uma lenda no bairro e aos poucos se espalhou pelas redondezas. Em diversas ocasiões ele foi convidade a participar de entrevistas, programas de variedades e comemorações regionalistas. Isso em princípio não lhe dava nada além da satisfação de participar, porém com o tempo, as solicitações se tornaram em tal número que precisou recusar alguns convites. Assim surgiu a oferta de pagamento de cachet pelas apresentações e pouco depois ele estava com a agenda quase lotada de compromissos. Sua renda elevou-se bem além do que recebia como salário. Precisou tomar cuidado para não misturar as duas coisas. A aposentadoria estava próxima e não desejava ser demitido nesse momento.

A preservação de sua vida profissional, até ali toda ela desenvolvida na mesma empresa, era fato primordial em suas preocupações. O que viesse por acréscimo era bem-vindo, desde que não interferisse com o a atividade na empresa. Uma filha se encarregou de organizar a agenda de seus compromissos, negociar os caches e pequenas viagens. Nessas ocasiões tinha chance de ampliar suas experiências na degustação de novas variedades de bebidas que surgiam constantemente. Transformou-se numa espécie de ícone, ligado estreitamente ao estabelecimento de Manoel, lugar onde surgira a transformação do hobi em uma atividade além disso. Virtualmente se transformara numa segunda profissão.

cachaca3

Especial aguardente de cana CONSOLA CORNO

 

Consultava regularmente o médico, pois não poderia correr o risco de exagerar no consumo de bebidas. Poderia tornar-se alcoólatra e assim por tudo que conquistara até ali a perder.

Voltemos ao nosso casal de “futuros” pais. No mês de outubro finalmente foi solicitado o exame de ultrassonografia. Manoel, morrendo de curiosidade, foi junto. Queria ver o(a) filho(a), mesmo sendo ainda uma pequena massa, um tanto disforme. Pelas palavras do médico, ja deveria ter agora a forma de um pequeno bonequinho, um pouco imperfeito, mas já com a maior parte das partes formadas. Dali para frente iria crescere e distender o abdomen da mãe até o dia do parto. Com a solicitação em mãos, embora pudesse fazer o exame pelo INPS, Manoel fez questão de pagar um laboratório particular. Não queria esperar na fila para saber como estava o feto.

No dia 20 de outubro ele levou a esposa, acompanhada da mãe, ao local da realização do exame. O preço ali era um pouco mais elevado, mas os equipamentos eram de última geração, permitindo observação de mais detalhes. Quando chegou a vez, entraram na sala de exames os três. Eduarda foi acomodada na mesa apropriada, seu ventre já levemente protuberante foi exposto. Um gel foi passado e iniciou-se o exame. Num monitor, semelhante a um pequeno televisor, já colorido nessa época, apareceu a imagem do que existia dentro da cavidade do baixo ventre de Eduarda. Começaram vendo a formação das pernas, abdomen, o minúsculo coração já batendo acelerado, os braços e a cabeça.

Ultrassom na gravidez 5

Realizando exame de ultrassom

 

Ultrassom na gravidez 2

Imagens durante a gravidez.

 

Ao mover o sensor, depois de colocar mais um pouco de gel, o médico operador do aparelho detectou algo novo. Ao lado da cabeça do que aparentemente era uma menina, surgiu outra forma igual. Parou por um momento, olhando para os pais e a avó, antes de falar:

– Vocês tem casos de gêmeos na família?

Os três ficaram paralisados. O que significavam aquelas palavras? Em lugar de uma criança, havia duas ali dentro? Talvez isso explicasse o crescimento um pouco exagerado do abdomen nas últimas semanas. Quem primeiro recuperou a fala foi Eduarda:

– Eu vou ser mãe de gêmeos?

– É o que está parecendo, mamãe! Veja aqui a cabeça que mostrei antes. Aqui ao lado aparece outra, em posição oposta, mas encostada. Vamos ver o resto do corpinho.

Ultrassom na gravidez 1 Ultrasom na gravidez 6

Nesse momento Manoel e a sogra se olharaam de modo significativo, mas sem dizer palavra. Não havia em suas lembranças casos de gravidez gemelar nas respectivas famílias. Mas a natureza é cheia de surpresas e logo estavam vendo a imagem do segundo feto. Praticamente do mesmo tamanho e os cordões umbilicais se ligavam à parede uterina em um mesmo ponto.

– São gêmeos univitelíneos. Serão do mesmo sexo e aparentemente são meninos. Ainda não dá para ver muito claramente. Daqui a um ou dois meses vai ficar mais definido e se poderá observar direito.

Ultrasom na gravidez 4

Imagem intra-uterina

Ultrasom na gravidez 3

Mamãe pronta para fazer ultra-som.

 

Manoel segurou a mão da esposa carirnhosamente, fez um carinho em seu rosto e lágrimas de emoção rolaram de seus olhos. Sua querida Eduarda estava lhe preparando uma gratíssima surpresa. Em lugar de um, seriam dois filhos gêmeos. A alegria seria em dôbro, junto com as preocupações também, é lógico. Isso fazia parte do pacote. Não havia escolhas a fazer. A natureza determinava algumas coisas e cabia aos seres humanos aceitar essas incertezas. Depois de mais alguns minutos o exame foi dado por terminado.

Uma enfermeira ajudou Eduarda a remover o gel que ficara espalhado na pele de seu ventre e tornar a se vestir. Depois que sentou, recebeu um abraço carinhoso de sua mãe e depois do marido. Sairam para a sala de espera e, se aguardassem alguns minutos, receberiam o laudo do exame, junto com uma imagem impressa, para ser levada ao ginecologista. Assim ele teria as informações necessárias para melhor conduzir o tratamento pré-natal. Ainda mais agora, sabendo que se tratava de gêmeos.

Ao chegarem à sala de espera, os demais pacientes que ali aguardavam a vez, logo ficaram sabendo da novidade. Era impossível manter segredo sobre um fato tão relevante. A maravilha da tecnologia moderna permitia esse pequeno milagre. O que antigamente era descoberto apenas no dia do parto geralmente, hoje era revelado com antecedência. Assim várias providências podiam ser tomadas para uma acolhida mais condizente aos novos membros da família. Tanto a avó quando os pais estavam falantes. Quem menos falava era Eduarda, ocupada em apalpar o próprio ventre em busca de sinais da presença dos dois fetos. Tivera alguns dias antes um sonho em que caminhava com duas crianças no parquet, as não associara isso com a possibilidade de estar grávida de gêmeos.

Seus olhos estavam marejados de lágrimas, enquanto seu rosto estava sorridente. A emoção que a invadia era indescritível. Queria poder traduzir a todos os presentes o que sentia, mas as palavras lhe faltaram. Preferiu ficar quieta, deixando que seu semblante falasse da imensa alegria que ia em seu íntimo. Logo houve quem falasse que gêmeos eram em geral muito pequenos ao nascerem, não raro precisando de cuidados muito especiais. Frequentemente nasciam antes do tempo, tornando a sobrevivência mais complicada. Tudo isso havia sido desmentido pelo médico que realizara o exame. Havia dito:

– Posso lhes afirmar que são duas crianças em igualdade de condições. O desenvolvimento está excelente para o estágio, não há sinal de atraso. Pode-se notar que os corações batem no mesmo rítmo, dentro do limite normal para essa fase. Não poderiam estar em melhor condição. Muitas gestações de um único feto, nesse estágio estão bem menos desenvolvidas e mesmo assim chegam a bom termo. Podem ir em paz. Se preparem para cuidar desses dois que, em alguns meses, vão estar em seus braços. Vão precisarr de braços e mãos fortes para aguentar.

Por isso, as palavras dos profetas apocalípticos, sempre prontos a prever problemas e catástrofes, não fizeram nenhum efeito. Quando a enfermeira trouxe o laudo que deveriam levar ao ginecologista, Manoel fez questão de ler rapidamente para ver o teor e depois falou:

– Escutem o que diz o médico que fez o exame. Vou ler o que ele escreveu aqui no laudo. – começou a ler, deixando todos quietos. Ao terminar, correu o olhar pelo ambiente e parecia dizer. Não venham trazer más vibrações. Aqui está tudo bem e nada vai mudar isso. Estamos nas mãos de Deus.

Os três se levantaram, disseram adeus aos demais e sairam. Várias vozes se elevaram desejando muita sorte e felicidade, ao que eles agradeceram. Ao chegarem na casa dos sogros, onde a mãe ficaria, desembarcaram e foram contar a novidade aos demais membros da família ali presentes. Em questão de minutos o telefone se encarregou de transmitir a notícia para os mais diversos recantos da capital e mesmo alguns lugares mais distantes. Satisfeita a curiosidade, Manoel convidou Eduarda a retornar com ele para casa. O anoitecer se aproximava e teria o que fazer. Já ficara for a várias horas e seria importante estar presente no começo da noite.

Ao entrarem em casa, antes de subirem as escadas, Manoel gritou para o interior do Bar:

– Se alegrem com a gente. Vamos ter dois meninos em lugar de um.

Depois foi até a cozinha e deu o recado à Arminda, junto com as duas ajudantes. A velha senhora não esperou e veio dar um abraço na patroa ali no corredor, ao pé da escada. Desejou-lhe muita felicidade, muita calma e que fizesse muito repouso. Não era bom esforço nessas condições. Eduarda prometeu se cuidare e depois subiu até sua moradia. Manoel a acompanhou e ajudou a se acomodar em casa. Depois desceu para assumir sua posição no estabelecimento. Logo os fregueses começariam a aumentar em número e sua presença era imprescindível.

Os empregados vieram indagar os detalhes da novidade. Cada um tinha alguma coisa a comentar. Era um conhecido que tivera gêmeos, houvera algumas dificuldades, mas no final correra tudo bem. O outro sabia de um parente distante que perdere uma das crianças e assim correu a conversa. Manoel havia trazido consigo o laudo e mostdrou a todos. Poderiam ficar tranquilos que não haveria problema algum com os filhos que Eduarda carregava no ventre. Iriam nascer fortes e saudáveis. Batia no peito e nos braços, apontando que teriam a musculatura do pai, a constituição física seria forte.

O movimento da noite começou firme e logo estavam ocupados em atender aos fregueses. O assunto ficou praticamnete esquecido, salvo em alguns momentos era trazido à baila, mas logo o trabalho impedia a continuidade da conversa. Na hora do jantar, Eduarda desceu para ocupar temporáriamente o caixa, enquanto Manoel sentava na cozinha e se alimentava. Comera pouco no almoço, nervosa com a perspectiva do exame e nada ingerira no resto da tarde. Estava com muita fome e ele ficou contente em poder disport de tempo para sentar e comer, sem precisarr intercalar garfadas de comida com receber pagamentos e dar troco. A hora de comer era sagrada, mas nem sempre podia se dar ao luxo de ter esses momentos a sua disposição. Eram, como dizia um amigo, os cavacos do ofício. Não se pode fazer uma omelete, sem quebrar os ovos para tal.

Sempre que Eduarda podia, fazia esse revezamento com o marido. Era também a oportunidade de travar conhecimento com alguns fregueses. Gostava de conversar com eles, ouvir suas opiniões e também dar conselhos por vezes. A vida é feita de convivência. Seu pai sempre dissera em seu tempo de infância e adolescência:

– É conversando que a gente se entende.

 

mutirao121 mini-cachaca-amansa-corno-aguardente-au3no_MLB-O-3200940111_092012

Leite Mulher amada.redi_leibol_cachaca

L 416jpgIMG_1338477946 images (12) images (11)

Acima vários rótulos de cachaças, das mais diversas procedências. Imagens coletadas na internet. Há vários sites em que é possível visualizar essas e muitas outras. Apenas uma pequena amostra da grande variedade que existe.

 

 

Uma ideia sobre “Um japonês especialista em cachaça – Capítulo XIII

  1. Cartier love bracelet lady stainless steel

    These people thought they were insulting the Christians they were confronting, but it is interesting to see how revealing their actions were. When you have committed yourself to protect the right to slaughter the innocent you are lost, whether you understand it or not. I’m not personally a religious person, but I’ve read the Cliff Notes version of the book. Would the Christ who said, “Suffer the children to come unto me” approve of abortion on demand? Whose work do these pro-abortion activists thing they are advancing?

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *