Um japonês especialista em cachaça – Capítulo XVII.

 

Fernando Collor de Melo

Fernando collor por Ubirajara DettimarAbr – Agência BrasilPalácio do Planalto view source. Licenciado sob CC BY 3.0 br, via Wikimedia Commons – httpcommons.wikimedia.orgwikiFileFernando_collor.jpg#mediaviewerFileFernando_collor.jpg

 

  1. Aguardente falsificada.
800px-Promulgação-Constituição-1988

“Promulgação-Constituição-1988” por Agência Brasil – http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/galeria/2013-10-04/constituicao-de-1988-completa-25-anos#. Licenciado sob CC BY 3.0 br, via Wikimedia Commons – http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Promulga%C3%A7%C3%A3o-Constitui%C3%A7%C3%A3o-1988.jpg#mediaviewer/File:Promulga%C3%A7%C3%A3o-Constitui%C3%A7%C3%A3o-1988.jpg

 

A família estava reunida. Os meninos, apesar da pouca idade, tinham com relação à pequena irmã sentimentos de proteção e cuidados. Quanto estavam em casa, nos momentos de folguedos no patio com os cães, dando uma volta vez ou outra pelo bar, sempre lembravam de correr até o quarto ver se a pequena estava bem e dormindo. Em muitos momentos davam com ela deitada no colo da mãe, mamando a valer. Depois de ela estar farta, sempre sobrava um pouco de leite. Eduarda, depois de deixar a filha acomodada, coletava o leite e o guardava devidamente acondicionado na geladeira. Uma enfermeira vinha a cada dois dias coletar o que sobrara.

Os pequenos e frágeis corpos de bebês em estado de carêcia, cujas mães não tinham leite, outros que haviam ficado órfãos ou abandonados, estavam aguardando pelo produto. Isso deixava os meninos e a mãe gratificados. Sabiam que alguma criança, que provavelmente nunca viriam a conhecer, estava sendo beneficiada com esse gesto. Na medida em que Isaura crescia, o volume que mamava crescia e com o tempo a quantidade que a mãe produzia diminuiu, até que cessou completamente as doações. Mesmo assim, nesses meses havia saciado a fome de vários bebês, aos quais considerava um pouco seus filhos. Os garotos também falavam deles, como se fossem seus irmãos. Irmãos desconhecidos. Talvez viessem a encontrá-los no futuro, se no entanto saber que o leite de sua mãe havia alimentado ao outro. Não havia importância. O bem que se faz, não importa a quem atinge.

Nesses anos todos, com intervalos maiores ou menores, sempre havia quem trouxesse novos exemplares de garrafas de cachaça, das mais variadas procedências. E cada vez vinha o desafio ao japanês especialista, Toshyro. Com o tempo ele começou a ter alguma dificuldade em identificar os tipos cuja produção havia sido iniciada depois de ele passar a trabalhar fixo em São Paulo. Mesmo assim ainda era capaz de identificar a região da procedência. Em determinado dia, quase ao final de 1989, chegou um viajante da região nordeste, mais precisamente Paraiba. Era uma marca desconhecida nas terras do sul e tinha por marca o ponposo título “Quebra Macho”.

Quando foi o dia de fazer o teste, Manoel notou um odor diferente na bebida. Ao apresentar o copo ao testador, falou:

– Vai devagar amigo, estou achando que essa bebida tem algo errado.

– Isso nós já vamos ver, – falou Toshyro.

Pegou no copo, aproximou das narinas e sentiu o odor. Sua experiência em anos de trabalho com química, logo lhe trouxe à lembrança o cheiro típico de metanol. Se cometesse a temeridade de ingerir essa bebida, poderia passar muito mal e até mesmo, perder a vida. O metanol é tóxico para o organismo humano. Olhou para Manoel e falou:

– Amigo, não beber isso. Aí tem metanol e isso pode me matar. Infelizmente vamos ter que denunciar o fabricante dessa bebida, pois se ele vender isso para a população, irá causar uma verdadeira calamidade.

O portador das garrafas estava ali presente e se apresentou logo. Lembrou imediatamente que o fabricante ouvira ele contar da habilidade de Toshyro e propusera dar de presente as duas garrafas. Bem que notara um sorriso maroto em seu rosto ao lhe entregar as garrafas. Na hora pensara que era questão apenas de orgulho do produto que fazia. Nem lhe havia passado pela cabeça uma tentativa de causar uma provável tragédia. Ele mesmo havia bebido da bebida no estabelecimento e nada acongtecera. Fez questão de cheirar a bebida e imediatamente constatou ter havido má intenção na manobra. Ele mesmo se prontificou a acompanhar Manoel e Toshyro à delegacia oferecer denúncia. Um rumor de desagrado se espalhou pelo bar. Depois dessa experiência, Manoel anunciou que não haveria mais desafios, nem testes de bebidas. Por muito pouco o amigo e compadre não ficara intoxicado.

O que valera nessa situação era a longa experiência com bebidas das mais diversas procedências e marcas. Mais ainda, o olfato e paladar apurado de Toshyro haviam identificado o elemento tóxico misturado. Ninguém mais tinha vontade de ver os já tradicionais gestos do japonês antes de anunciar o nome e safra da bebida que experimentara. Haviam sido raras as ocasiões em que não acertara totalemnte o resultado. Depois de ficar exposto a um risco tal, ele não iria querer mais se expor, tampouco os apreciadores dos desafios, quereriam vê-lo expor-se ao risco de vida.

Assim a coleção de Manoel estacionou, ficando por longos períodos sem receber novos acréscimos. Também os armários que mandara fazer estavam praticamente lotados, existindo poucos espaços para colocar mais alguma garrafa.

O grupo de jogadores que organizara o primeiro campeonato, estava agora organizado em uma associação. Tinham se filiado à federação Paulista, mas tinham em seu estatuto uma abertura para os aficionados de Pebolim, bem como futebol de botão. Todos os anos eram realizados campeonatos regionais. Os melhores jogadores participavam de competições a nível de região metropolitana bem como estadual. Havia também os que viajavam para outros estados e inclusive para o exterior. Um ou outro troféu vindo dessas contendas eram exibidos com orgulho.

O ano de 1990 assistiu à posse de Fernando Collor de Melo como Presidente da República, depois de ser eleito em votação popular livre ao final de 1989. Era o primeiro a assumir o cargo por meio de eleição livre, depois de Jânio Quadros ser eleito em 1960. Foi mais um período conturbado na política nacional. O começo foi um choque econômico com congelamento de preços, além de bloqueio dos saldos bancários. O resultado foi um descontentamento generalizado, especulações e atos ilicitos de toda ordem. Não tardaram a aparecer denúncias de cometimento de desvios administrativos do Presidente e seus asessores imediatos. As denúncias se agravaram e resultaram na renúncia em outubro de 1992, depois da aprovação do impeachment pelo congresso.

fora_collor

Caras Pintadas em manifestação pelo impeachment de Collor.

22mai2012---manifestantes-fazem-ato-pelo-impeachment-do-entao-presidente-fernando-collor-de-mello-na-avenida-paulista-em-sao-paulo-em-setembro-de-1992-1337700448104_956x500

ItamarFranco

“ItamarFranco” por Antônio Cruz/ABr – Agência Brasil. Licenciado sob CC BY 3.0 br, via Wikimedia Commons – http://commons.wikimedia.org/wiki/File:ItamarFranco.jpg#mediaviewer/File:ItamarFranco.jpg

 

Itamar Franco, seu vice, assumiu e enfrentou a borrasca que se seguiu. A moeda que voltara a se chamar cruzeiro, estava cada vez mais desvalorizada, alcançando cifras astronômicas de taxas inflacionárias além dos 40% mensais. A economia estava completamente desarticulada. Os executivos das empresas, grandes ou pequenas, faziam malabarismos de diferentes ordens para manter seus empreendimentos em funcionamento. No ano de 1994, mais precisamente no mês de fevereiro, foi editado o Plano Real. Nesse plano estavam presentes diversos elementos destinados a por um freio definitivo na hiperinflação que assolava o país.

Foi criada a URV (Unidade Real de Valor) com prazo fixado para nova conversão de moeda, dessa vez denominada Real. Fernando Henrique Cardoso, era o ministro da Fazenda, sendo depois indicado para concorrer à presidência. Em seu lugar assumiu Rubens Ricúpero. O que se pode dizer é que o plano foi bem sucedido, pois após 21 anos, ainda temos a mesma moeda em vigor e um razoável equilíbrio na economia.

800px-FHC_15_anos_real (1)

“FHC 15 anos real” por Antonio Cruz/Abr – Agência Brasil. Licenciado sob CC BY 3.0 br, via Wikimedia Commons – http://commons.wikimedia.org/wiki/File:FHC_15_anos_real.jpg#mediaviewer/File:FHC_15_anos_real.jpg

 

Os filhos de Manoel e Eduarda cresceram, estudaram e formaram-se em cursos superiores. Depois de terem atingido suas metas e ocupado cargos públicos concursados nas áreas de sua formação, sugeriram aos pais que deveriam descansar.

O bar foi vendido e a família foi morar em um conjunto habitacional, condomínio fechado. As longas noites de insônia durante os anos difíceis, haviam deixado um saldo positivo suficiente para garantir aos pais uma vida menos agitada. Os dois, Manoel e Eduarda, empreenderam em 2012 uma longa viagem por diversos países. Voltaram para casa e após alguns meses fizeram nova viagem, dessa vez pela América do Sul. Passaram algumas semanas em Bariloche, onde tentaram aprender a esquiar. Alguns tombos depois, conseguiram algumas descidas das rampas menos íngremes. Valeu pela diversão. Os dois voltaram vivamente entusiasmados e traziam em sua bagagem farto estoque de imagens e vídeos.

Tudo foi devidamente editado e arquivado em meios magnéticos para conservação. As mais notáveis mereceram cópias em papel fotográfico para constar de álbuns, serem enviadas para amigos e dadas aos filhos.

A família segue até hoje vivendo em harmonia, apesar da idade avançada de Manoel, próximo dos 80 anos. Os netos começaram a nascer e com isso a alegria dos avós ficou mais complete. Tinham agora uma razão para viver e ocupar os seus dias ociosos.

Décio Adams

decioa@gmail.com

adamsdecio@gmail.com

www.facebook.com/livros.decioadams

www.facebook.com/decio.adams

@AdamsDcio

Telefone: (41) 3019-4760

Celulares: (41) 9805-0732  / (41) 8855-6709

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *